6 de maio de 2016

FHC depõe na PF mas ninguém fica sabendo, afinal ele é ‘gente diferenciada’

Durante a palestra Brasil, Qual Será o Seu Futuro?, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso afirmou não ser pessimista em relação ao país. Segundo ele, o Brasil tem um "potencial enorme" (Wilson Dias/Agência Brasil)
por Helena Sthephanowitz, na Rede Brasil Atual
Não teve circo, jornalistas correndo atrás do carro, cobertura para TVs, não teve helicópteros e quase passou despercebido o depoimento do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB-SP) na Polícia Federal (PF), na sexta-feira (29)
A assessoria da PF explicou que FHC usou a prerrogativa conferida a ele por sua condição de ex-presidente para sair de forma discreta do prédio. A primeira pergunta inevitável. Por que não foi aplicada ao ex-presidente Lula a mesma prerrogativa? Quando os policiais chegaram à casa de Lula às 6h, repórteres já esperavam. Quando chegaram com Lula ao aeroporto, repórteres os antecederam.
"Houve vazamento?" E nada vazou no caso de FHC?
O público só ficou sabendo – e mesmo assim por notinhas em poucos sites de jornais – que o tucano prestou depoimento na sede da PF em São Paulo, muito tempo depois de ele ter deixado o local. E se o conteúdo do depoimento de Lula foi liberado para o bel prazer da "grande" imprensa minutos depois – que fez dele mais um espetáculo, apesar de nada haver contra Lula –, o depoimento de FHC está mantido em sigilo.
Em fevereiro, o Ministério da Justiça determinou à PF a abertura de dois inquéritos para investigar as suspeitas de crimes cometidos pelo ex-presidente envolvendo o envio de dinheiro ao exterior para a jornalista Mirian Dutra, com quem ele teve um filho fora do casamento, por meio de um contrato da empresa Brasif Exportação e Importação S.A
Mirian já afirmou para diversos veículos que o ex-presidente assinou um contrato fictício com a empresa Brasif Exportação e Importação, concessionária à época das lojas duty freenos aeroportos brasileiros para enviar dinheiro para ela entre 2002 e 2006. Segundo a Brasif, a jornalista, que vive na Espanha desde 1991, teria sido contratada para fazer análises de mercado em lojas convencionais e de duty free. Miriam afirma que jamais pisou em uma loja para trabalhar. Mesmo assim, recebia regularmente US$ 3 mil mensais da empresa.
No começo de abril, em depoimento de mais de cinco horas à PF, Miriam Dutra contou que, nos anos 1990, quando FHC presidia o Brasil, o dinheiro era levado por um cunhado a Portugal, onde Mirian morava. Ainda de acordo com esse relato, a jornalista passou a receber o dinheiro na forma de crédito em conta quando foi viver na Espanha.
A outra "investigação" sobre a qual FHC foi chamado a esclarecer trata da propriedade de imóveis no exterior, um apartamento em Paris e outro em Nova York, que não teriam sido declarados por Fernando Henrique à Receita Federal.
É lamentável a omissão da mídia brasileira em relação ao episódio. A imprensa descumpriu seu papel básico de informar à população e volta a desrespeitar o cidadão ao insistir em dar tratamento diferenciado ao ex-presidente tucano. A omissão da imprensa, nos leva a pensar que a cobertura da política brasileira não é equilibrada, como se espera de uma mídia independente, como eles dizem ser.

4 de maio de 2016

"A droga parou minha vida", revela ex-global

Uma das personagens do extinto "Programa H", comandado por Luciano Huck e depois por Otaviano Costa, Marina Filizola revela em livro que chegou ao fundo do poço. A modelo, que deu vida à Internética chegou a participar da minissérie "Amazônia, de Galvez a Chico Mendes", da Globo (2007) e do reality show "Hipertensão", em 2011, na Globo, conta como foi entrar no mundo das drogas em seu recente livro "Leite em Pó" e em entrevista ao 'IG'.
"Eu vi que não tinha mais escolha, ela [a droga] escolhia por mim. [A situação] ficou inadministrável em 2010. Aos trancos e barrancos eu levava minha vida. Via minha mãe triste, as pessoas ao meu redor se afastando. A droga parou minha vida e tomei uma decisão: 'Ou eu morro, ou eu tento sobreviver'. Foi nessa época que eu fui pedir ajuda", assume.
Sua queda e ascenção levou Marina a escrever o livro "Leite em Pó: Crônicas de um Vício", com uma série de crônicas que misturam momentos vividos por ela com situações fictícias. "O livro não é uma biografia, são crônicas, cenas cotidianas nas quais em muitas eu estava. Queria me livrar de certos assuntos, de uma carga de imagens que carreguei por muitos anos. Muitas coisas que estão ali eu vivi", explica.
"Minha sensação é que me libertei de um monte de dragões que ficaram para trás", continua. Para a atriz, a batalha contra o vício é diária e constante:
"Vou ter que me preocupar pelo resto da vida, tenho um dragão adormecido dentro de mim, e ele acorda fácil. Eu tenho limitações, a doença vai me acompanhar, para sempre vou ser refém disso. O principal é: 'Não use drogas haja o que houver'", finaliza.

STF julga nesta quinta pedido para afastar Cunha da presidência

As investigações apuram o recebimento de propina da Petrobras e o uso do mandato para supostas práticas criminosas

Foto: google
O STF (Supremo Tribunal Federal) deve julgar nesta quinta­feira (5) uma ação proposta pela Rede que pede ao tribunal que afaste imediatamente do cargo o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB­RJ). 
O julgamento foi acertado entre o presidente do STFO julgamento foi acertado entre o presidente do STF, Ricardo Lewandowski, e o ministro Marco Aurélio Mello, relator da chamada ADPF (Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental) apresentada pela Rede, e confirmado em sessão plenária. 
O principal argumento da ação é o de que Cunha, por ser réu em processo no STF, não pode estar na linha sucessória da Presidência da República. Caso o vice­presidente, Michel Temer (PMDB), assuma a cadeira de Dilma Rousseff, o que pode acontecer na próxima semana, Cunha se torna o primeiro na linha sucessória. 
O presidente da Câmara é réu no STF pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro sob a acusação de integrar o esquema de corrupção da Petrobras. Devido às mesmas suspeitas, ele é alvo de outra denúncia, de mais três inquéritos na corte e de outros três pedidos de inquéritos que ainda aguardam autorização do ministro Teori Zavascki, relator da Lava Jato.
Nos bastidores, ministros afirmam que a ação foi uma alternativa encontrada para a discutir a saída de Cunha do comando da Câmara, pedida pela Procuradoria­Geral da República em dezembro de 2015.
A peça apresentada pelo procurador­geral da República, Rodrigo Janot, enfrenta resistências na corte, sendo que os argumentos jurídicos foram considerados frágeis para justificar uma intervenção grave, que seria tirar o presidente de um Poder. O receio, em parte do tribunal, era levar o pedido a julgamento e a peça ser rejeitada, o que poderia fortalecer Cunha na Câmara,  onde é alvo de processo de cassação.
Segundo ministros, a tendência, no entanto, é que o STF aponte que Cunha não pode substituir Dilma ou Temer, em caso de afastamento ou ausência. Com isso, os ministros acreditam que diminuem a pressão sobre o tribunal pelo julgamento.
O ministro Gilmar Mendes, do STF, já afirmou ser plausível a discussão sobre a legalidade de um político que é réu em processo criminal poder figurar na linha sucessória da Presidência. Relator da Lava Jato, Teori Zavascki também disse que esse tema seria levado para deliberação da corte.
Na ação, a Rede sublinha ainda que a vedação ao presidente da Câmara pode se estender brevemente ao próximo na linha sucessória, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB­AL), que responde a denúncia e inquéritos criminais no STF. Ele, no entanto, não é réu ainda.
Informações: O Popular

TCM formula representação ao MP contra ex-prefeita de Rafael Jambeiro‏

O Tribunal de Contas dos Municípios, nesta terça-feira (03/05), considerou procedente o termo de ocorrência lavrado contra a ex-prefeita de Rafael Jambeiro, Cibele Oliveira de Carvalho, pelo cometimento de irregularidades no pagamento de despesas com combustíveis nos exercícios de 2011 e 2012. O relator do processo, conselheiro Fernando Vita, determinou a formulação de representação ao Ministério Público contra a gestora e aplicou multa de R$15 mil.
A relatoria apurou que os pagamentos referentes aos Pregões n° 12/2010 e 20/2011 ultrapassaram o valor contratado em percentual maior do que o permitido pela Lei de Licitações, qual seja, 25% no acréscimo dos serviços contratados. No primeiro, os serviços foram contratados no montante de R$626.300,00, mas pagos no valor total de R$1.662.151,18. No segundo, o valor estabelecido no contrato foi de R$841.230,00, porém foram gastos R$2.748.537,41. 
A gestora não apresentou qualquer justificativa hábil a ensejar os referidos acréscimos, de modo a confirmar a existência de irregularidade. Também não foi possível constatar se a quantidade de combustível adquirida estava compatível com a frota de veículos beneficiada, em razão da inexistência do controle interno do município, fato que demonstra total descontrole com os gastos públicos. Vale ressaltar que, coincidentemente, no último ano de mandato (2012) e, ano eleitoral, a despesa anual com combustíveis foi da ordem de R$ 2.748.537,41, valor 65,26% a maior se considerado o gasto em 2011.
Cabe recurso da decisão.
Assessoria de Comunicação
Tribunal de Contas dos Municípios do Estado da Bahia
+ 55 (71) 3115-4444
www.tcm.ba.gov.br

Brasil: ‘Ainda estou em choque’, diz jovem ao denunciar estupro durante ataque homofóbico em Petrolina

Foto: Reprodução | Facebook
As ameaças de morte, os chutes e os socos ainda atormentam o estudante de psicologia Anderson Veloso, de 21 anos, vítima de um ataque homofóbico último sábado (30). Mas, além da violência psicológica cometida por três homens, o jovem conta que foi estuprado pelo grupo com um pedaço de pau e, em seguida, abandonado em um local ermo da cidade de Petrolina, no interior de Pernambuco. 

No caminho de volta à casa, feito a pé em cerca de 30 minutos, com roupas rasgadas e descalço, amadureceu a resolução de falar sobre aquela uma hora e meia de pânico e, assim, decidiu escrever um comovente relato no Facebook. Em entrevista ao Extra, o estudante se disse preocupado com as intenções do grupo de cometer mais atentados como o que viveu. Frases como“esse é só o começo” apavoram Anderson, que garante que, mesmo com medo, não vai se calar. Confira a reportagem do Extra.

Informações: Blog do Anderson

Vereadores criticam qualidade de creche implantada pela prefeita de Nova Redenção

foto67
Conforme denúncia, o local onde funciona a creche inaugurada é uma residência de reforma agrária, de projeto do governo federal | FOTO: Divulgação |
Os vereadores do município de Nova Redenção, na Chapada Diamantina, Ariston Teles (PT), Wherbiston dos Anjos (PP), conhecido como Tom da Topic, e a professora Márcia Benevides (PT), voltaram a criticar esta semana a qualidade da educação oferecida à população pela prefeita Ana Guadalupe Azevedo (PSD). Dessa vez, os edis chamam a atenção para a creche implantada pela prefeita na comunidade de Beira Rio. De acordo com informações dos legisladores, “a casa onde foi montada a creche foi construída com recursos da reforma agrária e não pode ter desvio da função de moradia”.

Os denunciantes atacam duramente a administração local, segundo eles, o objetivo maior da gestora é aumentar a arrecadação da educação com a verba para manutenção da pré-escola. “Essa prefeita está de brincadeira. Levou o mandato todo gastando o dinheiro da educação com contratos superfaturados de cooperativas, e, agora, aos cinco meses para eleição, anuncia a ‘primeira inauguração’ da sua administração, uma creche no Assentamento Beira Rio. Pela foto dá para ver o engodo que é a obra. A estrutura é uma afronta às crianças de 0 a 3 anos que têm direito à creche para crescer e se desenvolverem plenamente”, destaca o vereador Ariston Teles.
Já o edil Tom da Topic alerta a população para ‘as manobras eleitoreiras’ da prefeita Ana Guadalupe. “Nossa intenção é mostrar para os conterrâneos que se nós não fizermos nada estaremos fadados a padecer para sempre nas mãos desse governo medíocre e incompetente, que foi ungido com o voto do povo e não corresponde com as expectativas dessa gente que, assim como eu, está cansado de ver o interesse da coletividade cada dia mais distante. Essa prefeita que aí está, só se preocupa com seus interesses pessoais”, dispara.
O parlamentar do Partido Progressista se indignou com o local onde foi montada a creche, uma residência de reforma agrária em assentamento rural. Segundo Tom, a estrutura não atende as recomendações do governo federal, que prioriza a creche no processo educacional, como suporte para as mães que trabalham e como base para o desenvolvimento intelectual da criança.
Leia também

Plano Estadual de Educação será votado nesta quarta-feira

Entidades de defesa dos direitos humanos querem a aprovação de texto original
O Plano Estadual de Educação (PEE) vai à votação nesta quarta-feira, 4, no plenário da Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA), envolto em uma polêmica protagonizada por deputados estaduais ligados à bancada evangélica e militantes da causa LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgêneros).
O motivo do embate é uma emenda do deputado Pastor Sargento Isidório (PDT), que propõe a mudança do texto original do documento, retirando a diretriz que orienta a inclusão, no currículo escolar, de temáticas como raça, gênero e diversidade sexual, cultural e religiosidade.
Para o parlamentar, a exclusão desses assuntos do projeto de lei que institui o plano tem o objetivo de "assegurar o bem-estar das crianças e adolescentes e a plena consciência da presença divina na criação do homem e da mulher", conforme o texto da própria emenda.
Ele afirma, ainda, que a proposta original, enviada à Casa Legislativa pelo governador Rui Costa, "incentiva o homossexualismo e a ideologia de gênero" entre crianças e adolescentes.
"Não posso aceitar o ensino de sexo e gênero para crianças primárias, de 6 anos. No fundo, a gente sabe que isso é ensino do 'homossexualismo' mesmo e pronto", disse o deputado.

Fazer comércio na escola?

Se houver insistência, todo cidadão pode recorrer ao Conselho Escolar, à secretaria de Educação ou ao Ministério Público

Foto: Thiago Cruz
Cobrar por provas xerocadas ou pelo acesso à internet, tornar obrigatório o uso de carteirinha escolar e vendê-la aos alunos, comercializar uniforme e material ou pedir uma taxa para efetuar a matrícula. Nas escolas públicas, essas ações ferem tanto a Constituição Federal, de 1988, como a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB), de 1996, uma vez que ambos os documentos preveem a total gratuidade do ensino público. 

Nenhum aluno pode ser coagido a pagar por produtos e serviços ou receber sanções pela falta de pagamento (como ser excluído de atividades e copiar provas a mão, enquanto os colegas compram versões xerocadas) ou receber tratamento diferenciado porque os pais não deram determinado valor à secretaria ou à Associação de Pais e Mestres (APM) no início do ano. Ainda assim, denúncias vindas de diferentes regiões do país revelam que esse "comércio" é comum. A justificativa, sempre, é a escassez de verba recebida do governo. Porém a prática deve ser banida.


A exigência de melhores condições de ensino precisa ser feita, mas aos responsáveis pela aplicação das políticas públicas, e nunca pesar no bolso dos pais. "A escola pode receber apenas contribuições voluntárias. Cabe às famílias decidir como podem colaborar e quando. Se for com dinheiro, os valores devem entrar na instituição apenas por meio da APM, direto na conta bancária", esclarece Maria Isabel Faria, dirigente da Diretoria de Ensino Região Centro-Sul da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo. 

A regra vale ainda para vendedores de livros, alimentos e brinquedos. Para comercializar produtos na porta da escola ou dentro dela, alguns pedem permissão e oferecem brindes. Outros simplesmente se instalam nas imediações. É preciso, então, esclarecer que a escola não é local de comércio. Se houver insistência, todo cidadão pode recorrer ao Conselho Escolar, à secretaria de Educação ou ao Ministério Público a fim de reverter o quadro.


Adolescente pede sexóloga do 'Altas Horas' em namoro e leva fora na TV

Adolescente pediu sexóloga em namoro 
(Foto: Reprodução)
Um pedido de namoro surpreendeu no 'Altas Horas', da Globo, exibido no último sábado (30). Um adolescente de 16 anos pediu em namoro a sexóloga Laura Muller, depois de elogiar a beleza dela e pedir que ela passasse suas experiências com sexo.
"Boa noite. Eu não queria fazer uma pergunta, queria fazer um pedido e uma afirmação. Primeiramente, queria falar que você é muito mais bonita pessoalmente. Em segundo lugar, sei que você é muito experiente nesse assunto, eu sou um mero aprendiz, 16 anos ainda. Você não gostaria de namorar comigo para me passar um pouco essas experiências?", disse o garoto, que se apresentou como Pedro. 
Laura ficou surpresa. "Meu Deus do Céus", disse o apresentador Serginho Groisman, que criticou: "Você está querendo que ela namore você porque ela tem experiência, não porque você gosta dela". O jovem rebateu e disse que achava ela uma pessoa "muito bonita, muito simpática", mas ressaltou que ela seria uma pessoa experiente e ele um aprendiz. Serginho quis saber: "Você acha que todo mundo que estuda sexo faz muito?". Ele não hesitou: "Não, mas ela pode ter uma facilidade a mais". Todos riram, inclusive Laura.
A sexóloga então respondeu, dando um "fora" no jovem. "Vamos lá... Então, Pedro, eu tenho 46 anos, você tem 16. É uma diferença muito grande e aí cada um precisa ficar em uma praia. Então, é bacana namorar, transar e ter as experiências e os aprendizados com 16, então cada um na sua praia funciona muito mais", disse.
Pedro Bial, presente, brincou. "Que elegância de resposta, nem chamou de pirralho!". Laura continuou: "Não, não dá. Nem comigo, nem com alguém da minha idade, porque essa diferença não é legal", disse Laura. "A adolescência precisa ficar na adolescência. A gente tem uma questão que adulto fazer sexo com adolescente é crime no nosso país, chama pedofilia". Pedro respondeu que não daria queixa, mas mesmo assim não ganhou um "sim".

Biblioteca Universitária Reitor Macedo Costa abrirá aos domingos

Medida visa acolhimento da comunidade universitária
A partir deste domingo (08/05), a Biblioteca Universitária Reitor Macedo Costa estará aberta, pois passará a funcionar também aos domingos.  De acordo com o Sistema Universitário de Bibliotecas (SIBI/UFBA), a medida, uma decisão da Reitoria da UFBA, visa oferecer maior acolhimento da comunidade acadêmica aos serviços da Biblioteca, ampliando o acesso às atividades de estudo e pesquisa no acervo disponível na unidade. 
Biblioteca Universitária Reitor Macedo Costa está localizada no campus Ondina e funciona de segunda a sexta-feira das 7h30 às 21h e aos sábados e domingos das 8 às 16h. 


1 de maio de 2016

Vídeo: Estudante levanta enxada durante formatura em homenagem aos pais que vieram do campo

Frame do Vídeo em que a estudante realiza sua homenagem aos pais do campo. Vídeo: Master Produções e Eventos
A estudante Kauany Sousa nasceu em uma casa de taipa em Almino Afonso, no interior Rio Grande de Norte. Seus pais, Nilson Pereira e Creusa Alves, são trabalhadores rurais que sustentaram a família com a lida no campo.
Em 2009, ao se formar em Serviço Social, a jovem prestou uma homenagem a eles, seus heróis, como dizia o cartaz que carregou na festa. Kauany ao ser nomeada durante a cerimônia, levantou uma enxada como símbolo da luta de seus pais ao longo de toda a vida.
Hoje, terminando o segundo curso do Ensino Superior em uma instituição pública, a jovem realiza o sonho de se graduar em Jornalismo e aponta que sente mudanças na realidade do país desde sua infância, das quais muitas delas trouxeram os trabalhadores do campo pra dentro das universidades.

Torcedores do vitória protestam durante o clássico e dizem "não ao golpe"

Foto: facebook de Gabriel Oliveira
No clássico BAVI, onde o Vitória ganhou por 2 a 0 para o Bahia, final do campeonato baiano, torcedores do Vitória roubaram a cena se posicionando contra a queda da presidenta Dilma. Uma grande faixa dizia “não ao golpe”, com o fundo da faixa pintado de rubro-negro, cores do Vitória.

Semana passada, parte da torcida organizada do Corinthians fizeram protesto em São Paulo contra o golpe, já em Pernambuco, torcedores do Santa Cruz expôs faixa com a frase “não ao golpe” com o símbolo de uma TV de grande audiência no Brasil. A cada dia, as torcidas de futebol estão utilizando os estádios para protestar sobre a realidade brasileira, o que parece ser um ganho relativo de consciência da potencialidade desses espaços públicos.

Domingo que vem, na Arena Fonte Nova, acontecerá o último BAVI decisivo. O Bahia precisa repetir o placar para impedir que o Vitória se consagre campeão baiano. Estaremos de olho nas arquibancadas também!


'O 1º de maio é também um ato político em defesa da democracia', diz presidente da CUT-BA

(Foto: Amanda Palma/CORREIO)
Este domingo (1º) foi marcado por manifestações de movimentos trabalhistas em diversas capitais brasileiras. Em Salvador, os manifestantes se reuniram desde a manhã nos arredores do Farol da Barra.
De acordo com informações da Central Única dos Trabalhadores (CUT), o ato reuniu durante todo o dia cerca de 40 mil pessoas. A Polícia Militar (PM), no entanto, disse que a manifestação reuniu cerca de mil e duzentas pessoas.
O presidente da CUT sessão Bahia, Cedro Silva, afirmou que além de representar a defesa dos direitos dos trabalhadores, as manifestações deste 1º de maio são também um ato em defesa da democracia. "O 1º de maio é para a classe trabalhadora, mas também é um ato em defesa da democracia", afirmou Silva.
Em nota, a prefeitura de Salvador informou que o evento realizado na Barra não estava licenciado, nem contou com a autorização dos diversos órgãos municipais. "Por se tratar de um evento com trio elétrico e atrações artísticas, os organizadores deveriam ter requerido licenças municipais o que, além de atender a legislação, garantiria o melhor ordenamento", diz o documento.

Pronunciamento da presidente
No vale do Anhangabaú, no centro da capital paulista, a presidente Dilma Rousseff fez um pronunciamento neste domingo em comemoração pelo Dia do Trabalhador. Dilma anunciou reajuste de 9% para o programa Bolsa Família e a correção de 5% na tabela do Imposto de Renda Pessoa Física, conforme era previsto. 

"Esse aumento não prejudica o cenário fiscal, como eles (os oposicionistas) dizem", afirmou. Ela disse ainda que vai anunciar o Plano Safra da Agricultura Familiar na terça-feira (dia 3). O Plano Safra 2016/2017, da agricultura empresarial, está previsto para ser anunciado no dia seguinte, 4 de maio, conforme informou na semana passada a ministra da Agricultura, Kátia Abreu

*Com informações da repórter Amanda Palma

28 de abril de 2016

Câmara de Vereadores aprova indicação que altera nome do circuito Dodô para Daniela Mercury

(Foto: Mauro Akin Nassor/ CORREIO)
A Câmara Municipal de Vereadores aprovou na última quarta-feira (27) o projeto da vereadora Vânia Galvão (PT) que indica ao prefeito ACM Neto a alteração do nome do circuito Dodô (Barra/Ondina) do Carnaval de Salvador. De acordo com a proposta da petista, o nome de circuito passaria a se chamar Daniela Mercury, em homenagem a cantora.
Conforme a vereadora, a iniciativa é uma homenagem à artista. “Daniela foi, de fato, a criadora do circuito, nada mais que justo marcá-la na nossa história; além disso, as cantoras são os grandes símbolos da nossa folia, então na figura da Rainha do Axé estamos afirmando nosso papel ativo na maior festa popular do planeta, e não apenas como artistas, mas como profissionais que atuam em todos os setores do evento”, justifica a vereadora Vânia Galvão. 
Após a aprovação da Câmara, o projeto segue agora para a apreciação e sanção do prefeito ACM Neto. A indicação da vereadora também será analisada pelo Conselho Municipal do Carnaval de Salvador (Comcar), que já se mostrou contrário à mudança. Caso a alteração seja aprovada, o circuito Osmar (Campo Grande), passará a se chamar Dodô e Osmar. 
Comemoração

No Facebook, Malu Verçosa, esposa da cantora Daniela Mercury, comemorou a aprovação da indicação na Câmara de Vereadores. 
“Fico muito feliz com o reconhecimento unânime (soube que todos os vereadores votaram a favor) da Câmara, da vereadora Vania Galvao, em especial, mas principalmente, da cidade, do nosso povo, da representatividade de Daniela para a cultura baiana e brasileira”, postou. 
Malu Verçosa lembrou da contribuição de Daniela Mercury para a criação do circuito.” Ela se empenhou muito na criação do circuito e é pioneira, como todos sabem, ao abrir o mercado pros nossos artistas, em especial para as mulheres que fazem do nosso carnaval o maior do planeta. Estou emocionada e muito feliz. Ser reconhecida em vida (e com tanto a fazer ainda) é muito, muito importante. Um povo que sabe sua história é mais forte. O baiano é, certamente, um guerreiro. A baiana, então, nem se fala!!! Rs. Viva ao empoderamento feminino. Viva a Daniela Mercury. P.S: só falta agora a assinatura do prefeito ACM Neto. Mas como a voz do povo é a voz de Deus... Rs”, brincou.

Câmara aprova regime de urgência para projeto de reajuste de até 41% no Judiciário

Câmara aprova regime de urgência para projeto de reajuste de até 42% no Judiciário
(Foto: Agência Câmara)
Após acordo entre a maioria dos líderes partidários com a presidência do Supremo Tribunal Federal (STF), a Câmara dos Deputados aprovou nesta quinta-feira, 28, a urgência do projeto de Lei que reajusta em até 41% os salários dos servidores do poder Judiciário Federal. A urgência foi aprovada por 277 votos a 4. Houve ainda duas abstenções. O impacto previsto com o reajuste dos salários e gratificações é de cerca de R$ 1,4 bilhão só para este ano.

A partir de agora, o projeto não precisa mais passar por comissões permanentes da Casa e terá prioridade para ser votado pelos deputados em plenário, embora não haja prazo para essa votação. O projeto que será votado pela Câmara e Senado foi negociado entre o Ministério do Planejamento e o STF em agosto do ano passado, como alternativa ao aumento de até 78% vetado pela presidente Dilma Rousseff.
A nova proposta enviada após o acordo prevê que os salários dos funcionários do Judiciário Federal serão reajustados individualmente entre 16,5% e 41,47%. O maior porcentual deverá ser pago a servidores que ingressaram nos últimos anos na carreira, não possuem incorporações e recebem salários menores.
O reajuste de até 41% será concedido por meio de aumentos porcentuais sobre os salários mensais e por meio de Gratificação Judiciária (GAJ incidente sobre o vencimento básico. Os porcentuais deverão ser distribuído em oito parcelas semestrais ao longo de quatro anos.
Os montantes já constam na Lei Orçamentária Anual (LOA de 2016 aprovada pelos deputados e senadores. A votação da urgência do projeto de lei de reajuste do Poder Judiciário foi acertada pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), com lideranças partidárias após pedido feito pelo presidente do STF, ministro Ricardo Lewandowski, em reunião com deputados na última terça-feira, 26. A ideia era que o projeto fosse votado logo em seguida.
No entanto, Cunha acertou com oito partidos que compõem a “maioria informal” na Casa (PTB, PP, PRB, PSB, PSD, PSC, PR e SD que a votação do mérito deve ser adiada. A estratégia de líderes partidários que votaram majoritariamente a favor do impeachment da presidente Dilma Rousseff na Câmara é evitar que projetos que elevem gastos federais sejam votados até que o vice-presidente Michel Temer assuma a Presidência da República, em caso de afastamento de Dilma.
A previsão é de que o Senado Federal analise em plenário a admissibilidade do impeachment da petista no próximo dia 11 de maio. Caso aprovado, Dilma será afastada e o peemedebista assume o comando do País. A votação da urgência do projeto de reajuste dos servidores do Judiciário Federal provocou pressão de outras categorias.
Integrantes do Ministério Público (MP), Tribunal de Contas da União (TCU), Defensoria Pública da União (DPU), Senado e Câmara passaram a pressionar pela votação da urgência das propostas de reajustes de seus salários. Com a pressão, líderes partidários tentam hoje votar requerimento de urgência do projeto de reajuste do MP e da DPU. 

Emocionado, Jô sai em defesa de Chico Buarque e Zé de Abreu em seu programa

Jô Soares se emociona ao fazer desabafo (Foto: Tv Globo)

Jô Soares não conseguiu conter a emoção no seu programa desta quarta-feira (27). Enquanto debatia o cenário político do Brasil com as 'Meninas do Jô', o apresentador aproveitou para fazer um longo desabafo sobre o episódio envolvendo José de Abreu e reclamou de intolerância política. O ator se envolveu em uma polêmica na última sexta-feira quando foi xingado em um restaurante japonês em São Paulo por defender o PT e o governo Dilma e revidou cuspindo no agressor.

"Me espanta cada vez mais o ambiente de impaciência que o Brasil está vivendo. Esse episódio que aconteceu com o José de Abreu é constrangedor. Um cidadão não pode sair com sua mulher para jantar que é obrigado a ouvir insultos terríveis. Disseram horrores sobre a mulher dele. A reação dele foi levantar e dar uma cusparada no casal, que também é uma reação movida por um 'não aguentar mais'", disse o apresentador. "A pessoa não pode ter uma opinião ou tendência política que é condenada. Isto está ficando igual ao comportamento de alguns deputados no Congresso, que também é lamentável", completou.

Em seguida, Jô fez questão de sair em defesa de Chico Buarque. O compositor é constantemente alvo de críticas e ofensas por declarar seu apoio ao Governo Dilma.

"O Chico Buarque não pode sair de casa sem ser agredido ou ofendido. O Chico é um patrimônio deste país. Eu fico comovido e com vergonha. Feliz o país que tem um Chico Buarque. Um cara que deveria ser reverenciado, mas ao invés disso sai de casa com os amigos e é agredido de uma forma mesquinha. Desculpa, mas precisava fazer esse desabafo", disse Jô com lágrimas nos olhos, arrancando aplausos da plateia.

Jô também aproveitou para falar sobre a Lei Rouanet. Criada em 1991 durante o governo Fernando Collor, a lei incentiva diversas áreas da cultura, contemplando tanto artistas iniciantes e independentes quanto os de carreira já consolidada —um de seus pontos mais controversos.

"A confusão que fazem com relação à Lei Rouanet é brutal. Quem tem possibilidade de levantar verba por meio da lei é o produtor. E eu digo isso com total isenção porque eu não sou produtor de nada na área artística, eu sou diretor de espetáculos. Além de maldade, é uma ignorância falar que o José de Abreu vive às custas da Lei Rouanet. Isso é um total desconhecimento da lei", finalizou Jô.

Críticas a Bolsonaro
Jô também aproveitou o seu programa para criticar o deputado Jair Bolsonaro. O apresentador se mostrou inconformado com o fato do político ter dedicado seu voto a favor do impeachment da presidente Dilma Rousseff ao coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, reconhecido pela Justiça como torturador durante a ditadura militar.

"Ninguém pode estar de acordo com a maneira como esse homem age. É realmente muito grave. Ele fez apologia ao crime. É uma pessoa que não merece estar no Congresso Nacional. É uma vergonha", disse.

Em dezembro de 2014, Jô repreendeu um rapaz da plateia que gritou palavras de apoio a Jair Bolsonaro. Na ocasião, o deputado era acusado de ferir o decoro ao dizer que "não estupraria Maria do Rosário [PT-RS] porque ela não merecia".


No dia da Caatinga, Monte Serra Preta tem parte de sua vegetação consumida por incêndio

Incêndio destrói cobertura do Monte Serra Preta. Foto: Alex Matos
No Dia Nacional da Caatinga, nesta quinta-feira, 28 de abril, o bombeiro Alex Matos registrou uma triste realidade no monte Serra Preta, 150 km de Salvador. A cobertura vegetal do monte foi praticamente destruída por um incêndio, certamente provocado pela ação humana.

O monte Serra Preta é o palco da tradicional Capina do Monte, festa centenária, comemorada no mês de dezembro, na sede do município de Serra Preta. Pelas redes sociais, o bombeiro demonstrou sua indignação ao afirmar que ficou “triste em ver o principal cartão postal da cidade nesta situação”.

Até o fechamento desta matéria nenhum órgão da Prefeitura ou do Estado se manifestou sobre a queimada. Não se sabe o que motivou o incêndio. Para o bombeiro Alex Matos, a prefeitura deveria desapropriar o monte com o objetivo de preservar o valor histórico e cultural do local. 

Matérias Relacionadas


'Eu vi população virar as costas pra Dilma;[...] favela faz silêncio, mídia manipula"

'Vamos chapar? Vamos chapar de Rede Globo, de Jornal Nacional, vamos chapar de Willian Bonner', disse Mano Brown - Créditos: Reprodução/Facebook
Em um discurso histórico, feito durante um show na última quarta-feira (20), no Rio de Janeiro, o rapper Mano Brown, dos Racionais MC’s, afirmou que “fechou um ciclo” em sua vida e em sua carreira depois que viu “a população virar as costas para a Dilma” e depois de constatar “o poder que a população tem num país de terceiro mundo”.
“Eu vi a população virar as costas para a Dilma. E eu vi o que é o poder da televisão em um país de terceiro mundo, o que é um país de terceiro mundo se informar. Onde a televisão elege e derruba quem eles querem. Aí eu falei: já que o povo escolheu isso, que assim seja. Daqui para frente, fechou um ciclo na minha carreira e na minha vida. Se o povo decidiu derrubar um governo, que assim seja. Daqui para frente, é cada um cada um. Não siga o Mano Brown que você pode tombar do precipício. Papo reto”, disse.
Em sua fala, Brown associou o fato de boa parte da população apoiar o impeachment da presidenta Dilma à manipulação midiática, em especial a exercida pela rede Globo – esta comparada por ele a uma droga.
“Em São Paulo, a maioria da população é de preto. E tá usando tudo isso de droga: cocaína, maconha, balinha, lança-perfume, novela da Globo, Jornal Nacional, todas as drogas possíveis. Vamos chapar? Vamos chapar de Rede Globo, de Jornal Nacional, vamos chapar de Willian Bonner”, ironizou.
“Enquanto a favela faz silencio, a elite manipula (…) O dia que o povo se omitiu. O dia em que a favela ficou quieta e deixou eles tomarem o que a favela conquistou”, completou o rapper paulista.
Informações: Brasil de Fato

27 de abril de 2016

PEC proíbe candidatos sem diploma e pode impedir nova candidatura de Lula

Se aprovada pelo Congresso, uma proposta de emenda à Constituição vai proibir candidatura a quem não tiver ensino superior. O texto, apresentado em março, poderia impedir, por exemplo, a volta do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao Palácio do Planalto.
Devido à sua atuação pública, Lula tem pelo menos 28 títulos de "doutor honoris causa". Em tese, essa titulação teria o mesmo efeito jurídico que um diploma regular, porém as normas são regulamentadas por cada universidade e a PEC 194/2016 não deixa claro esse ponto.
Apresentada em 15 de março pelo deputado Irajá Abreu (PSD-TO), a proposta foi assinada por 190 deputados, 19 a mais do que o necessário.
Irajá é filho da ministra da Agricultura, Kátia Abreu, aliada da presidente Dilma Rousseff. O texto é assinado por nove petistas, entre eles os deputados Marco Maia (RS), Pepe Vargas (RS) e Sibá Machado (AC).
Na justificativa, Irajá diz buscar “estabelecer um patamar superior” para os representantes. De acordo com ele, “a disponibilidade de conhecimentos integrados por uma visão acadêmica pode propiciar com maior efetividade uma visão mais profunda da realidade brasileira”.
O deputado diz ainda que hoje muitos integrantes do Legislativo possuem dificuldade de leitura, “o que impede que os membros atuem de modo efetivo nas suas funções constitucionais”.
O texto abre uma exceção para aqueles sem graduação. Quem já é senador, vereador ou deputado federal, estadual ou distrital e não possui ensino superior poderia se candidatar novamente ao mesmo cargo.
Tramitação da PEC do Diploma
A proposta aguarda apreciação na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara, que ainda não começou os trabalhos de 2016.
Se aprovada a admissibilidade na CCJ, a Câmara cria uma comissão especial para analisar a PEC.
O colegiado tem 40 sessões plenárias para votar um parecer. Se for positivo, a proposta vai a plenário.
Lá são necessários três quintos dos deputados, ou seja, 308 votos, para aprovação.
O texto é votado em dois turnos e, se aprovado, segue para o Senado. Lá, a PEC também passa pela Comissão de Justiça e pelo plenário, igualmente em dois turnos.

Umberto Magnani, ator de 'Velho Chico', morre aos 75 anos no Rio

Ator Umberto Magnani interpreta o padre Romão na novela Velho Chico (Foto: Globo / Caiuá Franco)
Ator Umberto Magnani interpretava o padre Romão na novela 'Velho Chico' (Foto: Globo / Caiuá Franco)
O ator Umberto Magnani, de 75 anos, morreu nesta quarta-feira (27) no Rio. Ele estava internado no Hospital Vitória, na Barra da Tijuca, Zona Oeste da cidade, desde segunda-feira (25) após sofrer um acidente vascular encefálico (AVE) quando se preparava para gravação de cenas da novela ‘Velho Chico’, da Globo, na qual interpretava Padre Romão. No mesmo dia, ele comemorava o aniversário de 75 anos. O Gshow fez uma homenagem ao ator e reunir vídeos com seus trabalhos; confira!
Nascido Santa Cruz do Rio Pardo, no interior de São Paulo, Umberto Magnani teve extensa trajetória no teatro, televisão e cinema. Muito premiado, ele marcou a dramaturgia nacional como intérprete e, também, como produtor de espetáculos consagrados.
Magnani iniciou sua carreira de ator em 1965, quando ingressou no curso de interpretação da Escola de Arte Dramática - EAD, em São Paulo. No início de sua trajetória profissional, interpretou textos de autores consagrados, como Nelson Rodrigues, João Cabral de Melo Neto, Antônio Callado, e William Shakespeare.
Seu primeiro destaque foi em 1977 no espetáculo “O Santo Inquérito”, de Dias Gomes. Já em 1981 ele ganhou seus primeiros prêmios de destaque: o Troféu Mambembe e Prêmio Molière de melhor ator por sua atuação em Lua de Cetim, de Alcides Nogueira, com direção de Marcio Aurelio.
Umberto estreou na TV em 1973, interpretando o personagem Zé Luis na primeira versão da novela “Mulheres de Areia”, na extinta TV Tupi. Na Globo, ele participou de consagradas novelas, como “Felicidade”, “história de Amor”, “Por Amor”, "Cabocla", "Alma Gêmea", “Mulheres Apaixonada” e "Páginas da Vida". Também participou de minisséries como “Presença de Anita” e do seriado “Sandy & Júnior”.
No cinema, Umberto Magnani atuou em “Quanto Vale Ou É Por Quilo?”, “Cristina Quer Casar”, “Cronicamente Inviável”, “Kuarup”, “A Hora da Estrela”, entre outros.
Sua dedicação às artes cênicas não se restringiu à atuação. Além de produzir muitos dos espetáculos nos quais atuou, Magnani teve intensa atividade como professor e nas áreas administrativas e até política ligadas ao setor. Ele foi diretor da Associação dos Produtores de Espetáculos Teatrais do Estado de São Paulo, diretor regional em São Paulo da Fundação Nacional de Artes Cênicas, a Fundacen, do Ministério da Cultura; presidente da Comissão de Teatro da Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo; membro da Comissão de Reconhecimento dos Cursos de Artes Cênicas em São Paulo do Ministério da Educação; membro do Conselho Diretor do Laboratório Cênico de Campinas e Secretário da Cultura e Turismo em Santa Cruz do Rio Pardo.
Vereza assume papel
Carlos Vereza assumirá a paróquia de Grotas do São Francisco na novela "Velho Chico" como padre Benício. Na trama, padre Romão, que era vivido por Umberto Magnani, será pego de surpresa por um comunicado urgente informando que ele passará a ser padre emérito.

Informações: G1

VI Encontro de Estudos Criminológicos


Exames confirmam que médica cubana na Bahia morreu de H1N1

Clara Elisa, 42 anos, morreu em hospital de Barreiras (Foto: Reprodução / Facebook)
Clara Elisa, 42 anos, morreu em hospital de Barreiras (Foto: Reprodução / Facebook)
A médica cubana Clara Elisa Gonzales, de 42 anos, que morreu em Barreiras, no oeste da Bahia, foi vítima da gripe H1N1. A informação foi confirmada pela Secretaria de Saúde do Estado (Sesab), no início da noite desta terça-feira (26), após resultado dos exames realizados no Laboratório Central de Saúde Pública Professor Gonçalo Moniz (Lacen), em Salvador.

A profissional, que atuava por meio do Programa Mais Médicos no município de Bom Jesus da Lapa, foi internada no hospital municipal da cidade na segunda-feira (18) e foi transferida para o Hospital do Oeste (HO), em Barreiras, na terça (19), onde morreu após parada cardiorrespiratória.
Segundo comunicado do Hospital do Oeste, a médica já deu entrada na unidade com parada cardiorrespitarória. Após tentativa de reanimação, foi constatada a morte 20 minutos depois da entrada da paciente.
De acordo com o secretário de Bom Jesus da Lapa, os profissionais que tiveram contato com a médica também são acompanhados pela Vigilância Epidemiológica do município. Clara Elisa trabalhava Bom Jesus da Lapa desde 2013. O corpo de médica foi sepultado em Cuba.