17 de agosto de 2014

Papa Francisco critica hipocrisia dos religiosos que "vivem como ricos"

O papa advertiu para “o perigo que constitui o consumismo em relação à pobreza da vida religiosa”

 

"A hipocrisia dos homens e mulheres consagrados que professam o voto de pobreza e, contudo, vivem como ricos, danificam a alma dos fiéis e prejudicam a Igreja", disse hoje (16) o papa Francisco a 4 mil membros das comunidades religiosas sul-coreanas, no centro católico para pessoas com mobilidade reduzida de Kkottongnae, que fica a 100 quilômetros ao sul de Seul.  

O papa advertiu para “o perigo que constitui o consumismo em relação à pobreza da vida religiosa”, em um país que alcançou um rápido progresso material nas últimas décadas. Falou também sobre a castidade, expressando “a entrega exclusiva ao amor de Deus”, em uma alusão a setores que defendem o desaparecimento do celibato na Igreja Católica. 

"Todos sabemos quanto exigente é [a castidade] e o compromisso pessoal que comporta. As tentações neste domínio requerem humildade e confiança em Deus, vigilância e perseverança”, lembrou Jorge Mario Bergoglio aos religiosos sul-coreanos. 

Depois, o papa Francisco se encontrou com 150 representantes laicos da Igreja Católica sul-coreana, tendo-os desafiado a “ir mais além”, a ajudar os pobres e a se esforçarem para que todas as pessoas possam ter a “dignidade de ganhar o pão e manter as suas famílias”. 

Em seu seu discurso, ele falou “do matrimônio” nos tempos atuais, qualificando o presente como “uma época de grande crise para a vida familiar”. 

Francisco iniciou na quinta-feira (14) uma viagem de cinco dias à Coreia do Sul, a primeira que um papa faz em 25 anos àquele país, que tem 5,4 milhões de católicos, mais de 10% da população total. Hoje, antes do encontro com pessoas com mobilidade reduzida, ele beatificou 124 mártires na praça Gwanghwamun, no centro de Seul, numa cerimônia assistida por centenas de milhares de pessoas. 

O papa visitou ainda um cemitério de fetos abortados ao se deslocar ao centro católico de Kkottongnae, no terceiro dia da sua visita à Coreia do Sul. Francisco passou junto ao Jardim Taeahdongsan, onde se pode ver uma estátua da Sagrada Família rodeada de centenas de cruzes brancas de madeira que pertencem àqueles que "não nasceram", tendo orado em silêncio.  

Na Coreia do Sul há uma taxa elevada de abortos e, segundo os dados oficiais publicados em 2005, foram praticadas nesse ano 340.000 interrupções voluntárias de gravidez, tendo nascido apenas 440.000 crianças. A lei sul-coreana do aborto estabelece que, em caso de violação, incesto, perigo para a saúde da mãe ou doenças hereditárias há um prazo máximo de 24 semanas desde a concessão para que seja possível praticar o aborto. 

A visita ao país termina na segunda-feira (18).


16 de agosto de 2014

SALVADOR: Fim de semana promete chuva

VÍDEO AO VIVO

Serra Preta: Carreta tomba na BA-120.



Uma carreta carregada de ureia (produto utilizado como fertilizante) tombou na noite de sexta feira, 15 de agosto de 2014, na BA-120, no município de Serra Preta-BA.

De acordo com informações, no veiculo estava apenas o motorista que teve ferimentos leves. Essa já é a segunda carreta que tomba no município em dois meses.

No mês passado um ônibus da empresa Emtram que seguia para São Paulo também ficou atolado na mesma estrada. O acidente aconteceu no trecho da BA-120 que liga o distrito de Ponto a sede do município.


Texto e fotos: Fanpage Serra Preta Bahia/ via blog Agmar Rios

Matérias Relacionadas

 

Projeto quer nova reforma para "simplificar" o português

Com mudança, "homem" se escreveria "omem" e "flecha" viraria "flexa" 

Senador Cyro lidera projeto (Foto: Ag. Senado)
Um projeto capitaneado pelo senador Cyro Miranda (PSDB-GO) propõe que a língua portuguesa passe por mais uma reforma ortográfica com objeto de deixá-la mais simples. Para facilitar o ensino e aprendizado da língua, a proposta é de que o "h" na frente de palavras seja extinto - "homem", por exemplo, se escreveria "omem".

Outro ponto do projeto, que é discutido na Comissão de Educação do Senado, propõe que o "ch" dê lugar à letra x. "Flecha" viraria "flexa". O hífen também pode ser extinto.

Para a senadora Ana Amélia Lemos, vice-presidente da comissão, o projeto é necessário porque há muitas divergência em relação com o último acordo ortográfico. "Na época, sequer foi feita uma consulta aos professores para a mudança da ortografia", criticou em entrevista ao jornal "Tribuna", do Espírito Santo.

O grupo técnico conta com coordenação dos professores Ernani Pimentel e Pasquale Cipro Neto.

Pimentel explica que a ideia é ter um sistema com o menor número de regras e de exceções, o que facilitaria o ensino da língua, que passaria a exigir menos "decoreba". "Quase ninguém sabe a ortografia em nosso País. Encontrar quem saiba usar hífen, j, g, x, ch, s, z, é algo raro. Até professores precisam recorrer a dicionários para confirmar como se escreve uma palavra ou outra, de tão complexo que é o nosso sistema", disse Pimentel.

A expectativa é de que até maio do ano que vem aconteçam discussões sobre o tema com professores do Brasil, Portugal, Angola, Moçambique e Cabo Verde para só a partir daí concluir e colocar o projeto em votação. "Cada país levará para aprovação do seu Legislativo. Caso aprovado, poderia entrar em vigor em 2016 ", explicou o senador.


15 de agosto de 2014

Com ajuda de amigas, mulher inventa sequestro ao marido para passar a noite com amante

A mulher, que é casada com um gerente de banco, acabou sendo "dedurada" pelas colegas 

"Crime" mobilizou a polícia em Divinópolis
Uma mulher de 31 anos disse ao marido que havia sido sequestrada após passar uma noite “desaparecida” em Divinópolis, no centro-oeste de Minas Gerais. A "vítima", na verdade, estava com o amante. Ela contou com ajuda das amigas para inventar o crime.

De acordo com a Polícia Militar, Priscila Michalshy de Paulo Mascarenhas, que é casada com um gerente de banco, foi encontrada na BR-494 na manhã dessa quinta-feira (14) e deu sua versão para o que tinha acontecido. Ela disse que foi abordada por um homem armado ao sair de um bar, onde estava com as colegas, e obrigada a ficar no carro enquanto ele dirigia.

No centro da cidade, os dois desceram do Fox e entraram em outro veículo, onde estava outro suspeito. Eles roubaram joias, dinheiro e o celular da mulher, que foi obrigada a ingerir bebida alcoólica, e a abandonaram próximo a um posto de combustíveis na rodovia, já de manhã, quando ela finalmente conseguiu ligar para o companheiro.

“Dedurada” pelas amigas

A versão das duas amigas da suposta vítima, porém, é um pouco diferente. Elas contaram para a PM que realmente estavam no bar e que a mulher do gerente foi embora por volta de meia-noite. Às 3h, o marido dela ligou para as duas, perguntando do sumiço da companheira.

As colegas viram o Fox da amiga parado na avenida Getúlio Vargas, em frente à casa do amante, e decidiram tirar a placa do carro, já que sabiam que a polícia estava em busca do veículo. No início da manhã, conseguiram falar com a mulher e planejaram o “crime”.

Foram as duas que levaram a amiga até o posto de combustíveis onde ela tinha sido “abandonada”. Todas foram levadas para a Delegacia de Polícia, para prestar esclarecimento, menos a mulher do gerente, que estava sob efeito de remédios. Elas podem responder por falsa comunicação de crime.

Informações: R7

Festa da Boa Morte: Confira a programação de uma das mais famosas manifestações culturais da Bahia

Consolidada como um ícone dos festejos populares da Bahia, a Festa da Boa Morte, que acontece de 13 a 17 de agosto de 2014, reúne as irmãs membros de uma das mais tradicionais e famosas confrarias religiosas da Bahia, formada por mulheres negras e descendentes de escravos.

Sua origem foi em Salvador, mas sua vinda para Cachoeira está ligada às senzalas e à luta das mulheres negras contra o regime escravagista, comprando cartas de alforria e oferecendo fuga aos escravos, além de buscar preservar os rituais das religiões de matrizes africanas.
Com a abolição da escravatura, a irmandade aproximou-se da Igreja Católica, fundando a entidade que funciona até hoje. Para celebrar a força dessas mulheres, todos os anos em agosto acontece a Festa da Boa Morte, uma das mais importantes manifestações da cultura afro-brasileira.
A programação que tem datas fixas começa no dia 13 de agosto (quarta-feira) com um cortejo anunciando a morte de Maria e uma missa em memória das irmãs falecidas. Ainda no primeiro dia, as irmãs fazem sentinela na Capela e participam da Ceia Branca, na sede da Irmandade.
No dia 14 (quinta-feira), segundo dia, acontece a Missa de Corpo Presente de Nossa Senhora da Boa Morte. Em seguida acontece a Procissão do Enterro. Neste dia, as irmãs vestem-se de preto, carregam velas e não ostentam joias e outros adereços.
No dia 15 (sexta-feira), terceiro dia celebração, a festa começa com a Alvorada pela manhã. Mais tarde, acontece a missa festiva pela Assunção de Nossa Senhora, seguida da Procissão de Nossa Senhora da Glória. Neste cortejo as irmãs vestem branco, usam joias e adereços vermelhos, indumentárias e trajes considerados um dos mais belos e simbólicos dentre as manifestações religiosas de todo o mundo. Durante a noite baianos e turistas se divertem ao som do autêntico Samba de Roda, no Largo D’Ajuda.
O encerramento acontece nos dias 16 e 17 (sábado e domingo) que não conta com cortejos pelas ruas, no entanto são os mais aguardados por muitos visitantes, pois é quando são servidos o Cozido e o Caruru, respectivamente, banquetes da cozinha afro-baiana preparados pela irmandade e oferecidos gratuitamente a todos na própria sede da Boa Morte, localizada em frente à Capela D’Ajuda.


Cidade de Serra Preta faz aniversário

Igreja do Bom Conselho em Serra Preta.                    Foto Arquivo
Há exatos 292 foi edificada a capela, financiada por João Carneiro de Oliveira, onde homenageou Nossa Senhora do Bom Conselho. 15 de agosto de 1722 é a data convencionada para a origem da Cidade de Serra Preta. Porém, há quem afirme que essa data o povoado foi beneficiada com a construção da capela e o povoado passou a se chamar Boa Vista do Bom Conselho, o leva a crê que já existia um núcleo urbano bem antes.

Polêmicas a parte, a data de 15 de agosto de 1722 já é bem significativa e coloca Serra Preta como um dos centros urbanos mais antigos do Brasil. Porém, em 1938, o povoado foi elevado à condição de Vila de Serra Preta e subordinado ao município de Ipirá. Serra Preta só conquista sua emancipação em 19 de dezembro de 1953.

Como o poder público ou nenhuma entidade debate a questão, é comum os moradores se confundirem o aniversário da cidade com o aniversário de emancipação. Outra questão importante, que o nosso blog sempre se preocupa, é a preservação do patrimônio arquitetônico que Serra Preta possui e que vem sofrendo alterações ou mesmo destruída pela ação do tempo.

Desejamos felicidade aos moradores da cidade de Serra Preta e consciência para manter vivo este patrimônio em pleno sertão baiano. 

Matérias Relacionadas:




14 de agosto de 2014

Vítima de injúria no WhatsApp pede prisão do autor

Juliana teme, inclusive, sofrer eventuais agressões na rua
 Rodrigo Meneses 

Há 12 dias, a balconista Juliana das Virgens, 28 anos, teve uma foto sua colocada no aplicativo de mensagens de celular WhatsApp com um texto dizendo falsamente que ela tem Aids e que estaria com uma agulha furando as pessoas pela rua. Para piorar, ainda divulgaram seus dois telefones na mesma mensagem e informaram o bairro onde ela mora.

Depois disso, a balconista já recebeu mais de 200 ligações. Inclusive  durante esta entrevista uma pessoa desconhecida ligou para ela. Juliana já cancelou o número do WhatsApp porque estava recebendo centenas de mensagens.

Medo

Fora o transtorno e a difamação, Juliana vive com medo de andar pelas ruas e sofrer um  eventual atentado por parte de pessoas que acreditem na mensagem falsa. "Fico com medo de sair. Volto do trabalho às 10h da noite e estou assustada", declara inconformada com a situação.

Um dia após descobrir as falsas informações, Juliana foi até a 10ª Delegacia Territorial (em Pau da Lima) para comunicar o fato à polícia. Mas foi orientada pelos policiais de plantão a procurar uma unidade especializada.

Nesta sexta-feira, 15, ela irá até o Grupo Especializado de Repressão a Crimes por Meios Eletrônicos (GME), localizado na  Polinter, nos Barris, para registrar um boletim de ocorrência (BO) contra o crime.

Orientação

O coordenador do Grupo Especializado de Repressão a Crimes por Meios Eletrônicos, delegado Charles Leão, explica que Juliana das Virgens foi vítima de um crime de injúria. Ele orienta que pessoas vítimas desses crimes por meio da internet ou por outros meios eletrônicos devem coletar algum indício que comprove o delito.

Se for em computador ou celular, a vítima deve fazer um print screen (foto) da tela. "A partir daí, a delegacia vai contatar o WhatsApp, Facebook ou o site que seja, para saber quem está propagando a mensagem", explica Charles Leão.

O delegado complementa informando que o novo Marco Civil da Internet obriga os sites, mesmo sediados fora do país, a fornecerem informações de registro de conexão para fins de investigação, sob pena de serem retirados do ar.

Cogitações

A balconista acredita que o autor do crime a conhece, pois foi usada a foto do perfil dela do WhatsApp e divulgados os números de seus telefones. "As pessoas com quem me relacionei são sérias. Não tenho um suspeito em especial, mas deve ser algum ex-namorado ou a namorada de um ex",  arrisca.

Ela tem dois filhos, que também estão sofrendo. "Um vizinho perguntou ao meu filho de 12 anos se eu estava com Aids. Aí, ele teve que explicar toda a história para a pessoa", disse.

Em maio passado, uma dona de casa foi linchada em São Paulo ao ser confundida com uma mulher que realizava rituais de 'magia negra' com crianças. Um retrato falado da suspeita foi publicado no Facebook.

Informações: A Tarde

Eduardo Campos: suposta testemunha mentiu ao vivo na Globo


Até que ponto vai a imaginação, o oportunismo, a insensibilidade e o cinismo de uma pessoa? Essa resposta fica ainda mais difícil de ser definida ao analisar o comportamento de uma hipotética testemunha do acidente aéreo que matou o candidato do PSB à Presidência da República, Eduardo Campos, e outros seis ocupantes da aeronave, na quarta-feira (13), em Santos, litoral paulista.

No final da manhã, durante o plantão do ‘Jornal Hoje’, da Globo, o repórter José Roberto Burnier entrevistou um homem que disse ter auxiliado no resgate de feridos. Ele afirmou ainda ter tido acesso aos destroços do jato.

Aparentemente emocionado, contou ter reconhecido o corpo de Eduardo Campos: “Cheguei a abrir o olho dele”, contou, para surpresa do repórter. Burnier o contestou para certificar a informação. O entrevistado, convicto, mais uma vez disse ter reconhecido Eduardo Campos entre os mortos — e ele ainda revelou, para certa comoção do jornalista, ser eleitor do candidato.

Pouco tempo depois, quando os boatos foram abafados por informações oficiais, todos soubemos que nenhuma vítima poderia ser reconhecida visualmente. Devido ao impacto e à explosão, os corpos ficaram dilacerados e carbonizados. Apenas exames de arcada dentária e DNA poderão determinar as identidades. O dentista Fernando Cavalcanti, que atendia Eduardo Campos, viajou do Recife para São Paulo levando radiografias e outros documentos, para ajudar na identificação do corpo do político.

À noite, José Roberto Burnier fez a matéria de abertura do ‘JN’, e estava no link, diretamente de Santos. Foram exibidos os testemunhos de várias pessoas que disseram ter presenciado a tragédia. Mas o homem que, horas antes, dissera ter reconhecido e tocado em Eduardo Campos ao tentar socorrê-lo, não foi mostrado.

O lamentável episódio ocorrido na Globo não é uma exceção. Sempre que acontece uma tragédia com a presença da imprensa surgem oportunistas, sádicos e desequilibrados que aproveitam a situação para aparecer na TV. 
José Roberto Burnier não tem culpa de ter sido enganado. Numa transmissão ao vivo, no calor da emoção e com notícias desencontradas, é impossível apurar se o entrevistado diz a verdade, fantasia ou mente descaradamente.

No primeiro momento, aquele depoimento parecia tão real, a dor da suposta testemunha se mostrava tão verdadeira, que seria improvável desconfiar de uma farsa. No fim, foi apenas mais um papagaio de pirata, um urubu midiático, alguém que realizou o desejo de ter 15 segundos de fama tripudiando sobre a tragédia alheia.

Informações: Portal Terra.

Gilmar Mendes mantém bens de José Sérgio Gabrielli bloqueados

Gilmar Mendes mantém bens de José Sérgio Gabrielli bloqueados
Foto: Manuela Cavadas/ Metropress (arquivo)

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu nesta quarta-feira (13) manter a decisão do Tribunal de Contas da União (TCU) que determinou o bloqueio dos bens do ex-presidente da Petrobras José Sergio Gabrielli. Na mesma decisão, Mendes deixou de analisar o pedido da presidenta da estatal, Graça Foster, para evitar o bloqueio. O ministro vai analisar a questão após manifestação do TCU no processo.

Segundo a Agência Brasil, no dia 23 de julho, o TCU determinou que  ex-executivos da estatal devolvam aos cofres públicos US$ 792,3 milhões pelos prejuízos causados com a compra da Refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos, entre eles Gabrielli. No caso de Graça Foster, mesmo não tendo sido incluída na decisão, a defesa da presidenta antecipou-se ao julgamento do TCU para evitar o bloqueio.

Na decisão, Gilmar Mendes informa que a decisão liminar que determinou o bloqueio dos bens foi acertada, em função das supostas irregularidades que foram encontradas na compra da refinaria. 

Informações: Metrópole

13 de agosto de 2014

PSB tem até dez dias para pedir o registro de novo candidato, diz TSE


Escolha deve ser feita pela direção dos partidos que compõem a coligação.Não é preciso fazer nova convenção, informa o Tribunal Superior Eleitoral.
Marina pode substituir Eduardo Campos na chapa
O Tribunal Superior Eleitoral esclareceu os passos que devem ser seguidos pela coligação que reúne os partidos PSB, PPS, PHS, PRP, PSL e PPL para substituir Eduardo Campos na chapa. O PSB tem até dez dias para pedir o registro do novo candidato. A escolha deve ser feita por decisão da maioria absoluta da direção dos partidos que compõem a coligação. E não é preciso fazer uma nova convenção.

“Esse é um momento de consternação. Nós aguardaremos a posição da coligação. Basta uma reunião entre os órgãos de direção dos partidos que poderão deliberar pela escolha ou não de um candidato ou candidata”, explicou Henrique Neves, ministro do TSE.

A lei eleitoral permite que qualquer filiado a um dos seis partidos da coligação seja escolhido candidato a presidente do país. Se a candidata a vice, Marina Silva, que é filiada ao PSB desde o ano passado, for escolhida para substituir Eduardo Campos, ela terá primeiro que cancelar o registro de vice. Depois, a coligação deverá registrar uma nova chapa, incluindo também outro candidato a vice.

Na terça-feira que vem, dia 19, começa o horário eleitoral obrigatório no rádio e na televisão. Por sorteio, Eduardo Campos seria o primeiro a aparecer. Mesmo que o novo candidato à Presidência seja oficializado até lá, não há qualquer restrição para que a coligação exiba imagens ou depoimentos de Campos.

O presidente do TSE, Dias Toffoli, lamentou a morte do ex-governador de Pernambuco. “Hoje é um dia muito triste, uma tragédia que aconteceu, envolvendo um dos candidatos à Presidência da República e outras pessoas. É um momento de pesar”, afirmou.

 

Lula, Fernando Henrique e Sarney lamentam morte de Eduardo Campos

Eduardo Campos foi vítima de um acidente aéreo na manhã desta quarta-feira (13) em Santos, no litoral paulista.

Agência Brasil 

Os ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva, Fernando Henrique Cardoso e José Sarney lamentaram a morte do candidato do PSB à Presidência da República, Eduardo Campos, em acidente aéreo na manhã desta quarta-feira (13) em Santos, no litoral paulista. Mais seis pessoas morreram no desastre.

“O país perde um homem público de rara e extraordinária qualidade. Tive a alegria de contar com sua inteligência e dedicação nos anos em que foi nosso ministro da Ciência e Tecnologia. Ao longo de toda sua vida, Eduardo lutou para tornar o Brasil um país mais justo e digno”, disse o ex-presidente Lula.

Em nota divulgada pelo Instituto Lula, o ex-presidente presta solidariedade às famílias da equipe de Campos e dos tripulantes que também morreram no acidente. “Neste momento de dor, eu e Marisa nos solidarizamos com sua mãe, Ana Arraes, sua esposa, Renata, seus filhos e toda a sua família, amigos e companheiros. Também prestamos solidariedade às famílias dos integrantes da sua equipe e dos tripulantes que falecerem nesse terrível acidente.”

Em sua conta no Facebook, Fernando Henrique Cardoso lamentou a morte de Eduardo Campos e solidarizou-se com os parentes dele e das demais vítimas do acidente. “Não há palavras que amenizem as perdas. Ainda assim, expresso minhas condolências, meus sentimentos de tristeza e de pesar."

Na mensagem, o ex-presidente ressalta que sempre manifestou respeito pelo ex-governador de Pernambuco e que quem sofre a maior perda é o país. "No momento em que precisamos de líderes jovens e competentes, perdemos um dos melhores. Sua carreira nacional apenas se iniciava. Fosse ou não eleito, seria um líder para a renovação política de que tanto necessitamos. É uma perda irreparável”, afirmou Fernando Henrique.

Em nota, o ex-presidente José Sarney disse que o país perdeu "uma de suas maiores esperanças políticas".

“A morte é um fenômeno transcendental. Supera todos os sentimentos. Deus é testemunha da minha emoção, do meu pesar e do quanto estou chocado com o falecimento de Eduardo Campos, a quem conheci ainda jovem, despontando como um grande talento. O Brasil perdeu uma de suas maiores esperanças políticas. Eduardo tinha um grande futuro e vivia um grande presente. Junto-me a sua família e ao povo brasileiro nesse sentimento de perda, e peço a Deus que nos console e nos ampare. O Brasil, o Nordeste e Pernambuco sentem o vazio que se abre – e que não será preenchido. É hora de invocar o símbolo que os romanos usavam: a coluna partida, quebrada, não completa sua beleza".

Eduardo Campos, que morreu aos 49 anos, governou Pernambuco de 2006 a 2014, foi ministro da Ciência e Tecnologia no primeiro mandato do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e deputado federal por Pernambuco, onde exerceu também mandato de deputado estadual.


Filhos de Eduardo Campos fazem homenagens de dia dos pais. Assista!

Professor é baleado na boca dentro de escola em Sergipe

Aluno teria se chateado com uma nota baixa. Professor foi encaminhado ao Hospital de Urgência de Sergipe. 
Imagem: Internet

Um professor foi baleado no início da noite desta terça-feira (12), dentro da Escola Estadual Olga Barreto, que fica localizada no Conjunto Eduardo Gomes, na cidade de São Cristóvão, região da Grande Aracaju. 

Segundo testemunhas, um aluno teria se chateado com uma nota baixa e foi até o colégio se vingar do professor. Ainda de acordo com testemunhas, o professor recebeu três tiros, sendo um na boca, outro no tórax e abdômen. 

O professor foi socorrido pelo Serviço de atendimento Móvel (Samu) e encaminhado ao Hospital de Urgência de Sergipe (Huse). 

Informações: G1 - Sergipe


12 de agosto de 2014

Chapada Diamantina vai sediar festa literária em setembro pela primeira vez

Festa Literária Internacional (FLICH) acontece entre os dias 3 e 7 do mês de setembro
A Festa Literária Internacional da Chapada Diamantina (Flich) vai ser realizada, pela primeira vez, entre os dias 3 e 7 de setembro, nas cidades de Lençóis e Seabra. Os homenageados são o compositor Dorival Caymmi, o cineasta Orlando Senna e o escritor João Ubaldo Ribeiro.

Ao todo, são 50 convidados e uma programação com palestras, shows, stands, conferências, performances e oficinas. A expectativa é a de que pelo menos oito mil pessoas participem do evento. A abertura acontece no dia 3 de setembro, às 19h30, no auditório da Universidade do Estado da Bahia (Uneb). O Flich é realizada pela Uneb, em parceria com a Associação EcoViva e com a Prefeitura Municipal de Lençóis.

Serviço:

O quê: 1ª Festa Literária Internacional da Chapada Diamantina (FLICH)
Onde: Nas cidades de Lençóis e Seabra/BA
Quando: Entre os dias 3 a 7 de setembro de 2014
Entrada: Franca
Informações: http://www.flich.uneb.br

Informações: Jornal da Chapada

UFBA: página eletrônica da Faculdade de Direito fora do ar


Alunos foram pegos de surpresa com a queda da página eletrônica da Faculdade de Direita da Universidade Federal da Bahia. Outro problema que causa angustia é na página de matrícula. Mesmo quem conseguiu efetuar a matrícula para o próximo semestre, fica perplexo ao clicar no link relacionado e ler a mensagem “aluno sem inscrição semestral nos componentes curriculares”.

Até agora, não tomamos conhecimento de nenhuma nota pública sobre o problema, apenas a mensagem no site que informa ocorrência de uma intervenção no sistema, provocando a indisponibilidade de acesso. Não se sabe também se a ‘intervenção’ partiu da própria administração ou de ato criminoso.

A matrícula presencial será nos dias 18 a 20. Certamente, a fila será grande!

Em tempo: O site da Faculdade de Direito é independente do site de matrícula. Sendo assim, apenas coincidência as duas páginas eletrônicas apresentarem problemas simultaneamente.

11 de agosto de 2014

O dia em que cuspi na cara de ACM!

Imagens: Marconi de Souza
Belisa Ribeiro, mãe do compositor Gabriel Pensador, me convidou para ser repórter do seu site – “Doces Bárbaros” –, com sede no Rio. Assim que atendi ao telefonema, pensei tratar-se de um trote, afinal, Belisa foi casada com Marcos Paulo, namorou Collor de Mello e, naquela ligação, disse-me de cara que minha coragem era a coisa que mais a encantou até então! Caramba...

Bem, esse fato ocorreu em 1999, assim que fui receber o primeiro dos três prêmios internacionais que ganhei nos Estados Unidos. Outros convites desse tipo vieram-me do eixo Rio-Sampa, mas nada tão sedutor quanto o da mãe de Gabriel Pensador. E confesso: topei na primeira abordagem, até porque ela pagaria quatro vezes mais do que eu ganhava no jornal A Tarde.

Além disso, Belisa não queria dedicação exclusiva e bastar-me-ia escrever apenas duas reportagens por semana. “O Brasil precisa conhecer você, garoto”, disse-me, com sua doce voz ao telefone. Minha esposa ficou eufórica, e não era para menos, afinal, ela assistia aos filhos dormindo em colchões ao chão e segurava o vaso sanitário para não quedar-se ao solo.

Levi Vasconcelos, meu colega de jornal, nos visitava e certa feita caiu desse vaso. Quase lesionado, questionou-me porque eu morava com tanta miséria, e, ao mesmo tempo, construíra uma bela piscina na área verde da casa. Perguntou-me, ainda, se não seria mais sensato ter uma casa com banheiro, cozinha e quartos decentes, ao invés de uma ostentação no jardim.

– Com certeza... Mas a piscina reflete apenas a moldura do que ganhei até agora com os prêmios jornalísticos, enquanto a pintura do quadro é o péssimo salário de repórter, justifiquei-me.

– Perdoe-me Bolinha (como ele me chamava), mas não consigo entender essa sua lógica.

– A minha lógica é estabelecer uma dicotomia entre o que é rico e pobre, para curtume dos meus filhos, ou seja, para que eles se fortaleçam com a dor e a delícia, enquanto for..., respondi, encerrando a conversa sobre esse tema.

Mas a verdade é que nem mesmo meu pai dormia na minha antiga casa. Ele não conseguia compreender aquela dubiedade – de luxo e lixo –, daí que preferia o conforto dos hotéis da capital. Meus irmãos, idem! Ninguém queria dormir naquela casa em frangalhos, exceto eu, minha esposa, minha querida mãe e meus filhos, até porque esses não me abandonam quase nunca...

Pois bem: assim que acertei alguns detalhes do contrato com Belisa Ribeiro, ela me enviou as duas primeiras pautas para a primeira semana de trabalho. Gente, eu não acreditei no que li... A primeira matéria seria um “retrato jornalístico” do casal Cristiano Rangel e Luana Piovani, que, naquele ano, acabara de largar Rodrigo Santoro pelo filho do empresário baiano Wesley Rangel.

Quando li essa primeira pauta, respirei fundo e pensei na pureza de Gabriel Pensador! É que esse cara é muito querido por mim e meus filhos: Julia, George e Pedro. Naquele tempo, a canção “Cachimbo da Paz” nos embalava quase como uma espécie de hino doméstico. E utilizo o advérbio “quase” porque minha esposa não gosta dessa canção. Os caretas odeiam seus versos!

“Cachimbo da Paz” é a minha ópera-canção predileta dos anos 90. É impossível ouvi-la sem derramar uma lágrima sequer... E quando eu ouvia Ju, Peo e Geo, ainda crianças, cantando aqueles versos sem entender muito bem o que significava, minha dor era de pranto. Passados tantos anos, eu e meus três filhos ainda adoramos ouvir e cantar seus versos como se fosse a primeira vez:

“Maresia, sente a maresia
maresia, uuu...

Apaga a fumaça do revólver, da pistola
Manda a fumaça do cachimbo pra cachola
Acende, puxa, prende, passa
Índio quer cachimbo, índio quer fazer fumaça”

Olha, o pior veio minutos depois, quando Belisa Ribeiro enviou a segunda pauta da semana: uma entrevista com Dadá – aquela cozinheira de frutos do mar! Sinta a minha maresia... Na manhã seguinte, Belisa me ligou e eu só não fui mais grosseiro do que costumo ser nesse tipo de situação por ser ela a mãe de Gabriel, que não conheço pessoalmente, mas admiro incondicionalmente.

A verdade é que encerrei ali nosso contrato. Belisa não entendeu o motivo que expus para recusá-lo e, naquela manhã, me ligou inúmeras vezes querendo uma melhor explicação. E lá por volta do meio-dia, sei lá porquê, cansou de me ligar... Logo depois, entrei em contato com minha filha Julia Marconi, que estava na casa da avó materna, no Caminho das Árvores.

Saí do jornal A Tarde, ali perto, e fui pegá-la. Fomos para nossa casa (no Litoral Norte) almoçar alguma coisa bacana feita por minha esposa. Durante o trajeto, na Avenida Paralela (a mais movimentada da capital baiana), fui contando a ela sobre o desfecho da minha curta relação com Belisa. Aos 10 anos de idade, Julia reagiu como já era de se esperar naquela circunstância:

– Meu pai, a gente não sabe nem o que vai comer amanhã e o senhor me conta isso...

– Não importa, menina. Sua mãe faz manjar até com a grama da casa, desconversei.

– Como é que o senhor manda a mãe de Gabriel Pensador tomar naquele lugar...?!?!?!

– Eu não fiz isso, garota. Eu apenas disse a ela que estou fora dessas putas, quer dizer, dessas pautas em que o jornalismo dá o rabo...

– Minha mãe já sabe o que você fez?

– Ainda não...

– Ela vai se retar...

– Eu sei!

– Meu pai, o senhor jogou uma excelente oportunidade pela janela!

Essa última observação da minha filha arremessou-me imediatamente no longínquo ano de 1982. Acendi meu cachimbo – fumei isso por 20 anos (entre 1988 e 2008) – e, no silêncio que nos acompanhou na Avenida Paralela, comecei a puxar e soprar a fumaça para fora do carro... E a memória voou sobre o meu passado e presente, até porque o futuro pouco me importa!

Pois bem: lembrei que concluí o científico em 1982 e minha mãe queria que eu viesse fazer uma revisão num cursinho em Salvador. Eu não quis... Preferi ficar queimando baseado em Queimadas, com Julio, Cabé e uns ciganos! Antes de nós, maconha na cidade era algo vinculado apenas a Rui Marques, Zé Filho e os filhos de Odilon (figuras descoladas) nos anos 70!

Naquele finalzinho de 1982, a filha de uma mulher que trabalhava na minha casa começou a me dar mole, mas, por ter um leque considerável de opções (perdoem-me a imodéstia), eu segurava sua onda juvenil. Acontece que a menina de 14 anos era danada demais, e, às manhãzinhas, surgia debaixo do meu cobertor sem que eu notasse o seu inusitado mergulho...

Ela não transava – dizia que era virgem –, mas topava todo tipo de sacanagem por baixo dos lençóis. E assim o foi em novembro e dezembro, ou seja, nos meses que anteciparam meu vestibular. Eu comemorei meus 18 anos no dia 11/12/82 e, para festejar a data, fui com a galera queimar um cachimbo da paz numa das barragens do Rio Itapicuru, ao som de “Day Tripper”!

Quando retornei já era de madrugada, e, como sempre, estava para lá de “Lucy in The Sky With Diamonds”! Acordei, suponho, por volta das 6 horas, com a tal menina já mergulhada no meu lençol. De tão chapado, quase nenhuma atenção lhe dei enquanto ela me “pirulitava” como uma bezerra! Era seu desejo... E ela, inocentemente, ali também adormeceu mais do que devia...

Resultado: a danadinha foi flagrada sob os lençóis horas mais tarde (pela mãe), a ponto de eu ser sacudido da minha cama às 10 horas, por um dos meus irmãos, dizendo-me que eu iria casar com uma garota menor desvirginada. Levantei-me sonolento e, ainda meio baseado, fui à sala. De longe, presenciei meu pai conversando com o pai da garota, com seu sotaque carioca:

– Ele completou ontem 18 anos e a sua filha é menor de idade, não é mesmo?... Então vá à delegacia e denuncie isso, para que ele responda judicialmente. Esse garoto precisa de uma boa cana para aprender o que é a vida...

Essa frase nunca saiu da minha cabeça, mas, por um átimo de segundo, pensei comigo: “Vou conversar com o pai dessa menina, afinal, nunca transei com ela. Ademais, não sei nem o seu nome direito, enfim, neste caso sou mais vítima do que culpado”. Caminhando às pressas dentro da nossa casa, abri uma janela que dava acesso à praça e o alcancei a tempo no passeio:

– O senhor é o pai de Cinha?

– Sou. Quem é você?

– Eu sou Marconi...

O velho partiu para cima de mim, mas a sua esposa o impediu. Ele me disse que iria à delegacia, como recomendara meu pai, e que eu “aguardasse as conseqüências...”. Naquele clima ruim, fiz apenas o que me cabia, afinal, eu não era totalmente um inocente porque admitira as investidas da garota (vide Código Penal), mas, a rigor, não seria um caso de polícia:

– Sua filha era quem me procurava...

– Que nada, seu safado!, reagiu.

– Ela é virgem.

– Você vai pagar pelo que fez, retrucou, sem me dar nenhum crédito.

– Nunca houve nada, senhor..., implorei.

– Nada o quê, seu moleque.

– Não houve quase nada, senhor. Ela vinha aqui só fazer boquete.

– Boquetes?, perguntou o cara, assim mesmo, no plural.

– Boquete, repeti...

– O que é isso?, questionou-me.

A esposa o puxou pelo braço e, naquele momento, senti no seu olhar que ela iria explicar ao marido o que era um bolagato, uma mamada, uma chupeta, enfim, aquela obscenidade. Enfim, não recebi nenhuma intimação da polícia, mas a delegada da nossa casa (minha mãe) me pôs nos bancos dos réus para um dos seus impagáveis sermões. E uma das frases nunca esqueci:

– Você está jogando sua oportunidade pela janela!

Pois é: minha filha repetiu a tal frase 17 anos depois naquele carro e, por isso, fui jogado outra vez no banco dos réus. E narrei essa história de 1982 para ela no trajeto da Avenida Paralela, ressaltando que desde o primeiro dia em que completei 18 anos passei a ser alvo da polícia, da justiça, enfim... E contei-lhe que eu já respondia a uns seis processos no jornalismo.

Julia apenas riu e, de fato, era para ser engraçado, afinal, poucos anos depois eu já seria réu em mais de 30 processos. Fez-se um silêncio entre nós e, sei lá por qual motivo, puxei com muita força a fumaça do cachimbo, que, infelizmente, apagara-se com o vento, deixando vir apenas uma gosma horrorosa de nicotina. E eu cuspi aquilo incontinenti pela janela.

– Meu paaaaaaaaaaai, gritou Julia.

– O que é, menina?

– Veja em quem você cuspiu...

Quando volvi ao lado, avistei um belo Ford preto e a borra escura da nicotina escorrendo-se no vidro traseiro do carro, separando-me do olhar atônito de ACM, numa cena cinematográfica. Olha, desta feita eu tinha certeza que joguei uma bela oportunidade pela janela. O motorista do coronel acelerou, enquanto eu e Julia, aos risos, cantávamos: “Maresia, sente a maresia...”

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Esse episódio está no meu livro “ACM e Adriana – uma história de amor, traição e grampo”, mas com muito mais charme e poética. Senti vontade de trazê-lo hoje porque estive esta semana em Queimadas, e encontrei Tinha – irmã de Cinha – trabalhando na minha casa. Tinha, que foi babá de Julia há uns 20 e poucos anos, disse-me que sua irmã, após décadas em Sampa, voltou para Queimadas.

Calma, gente, não estou atrás de um bolagato!!! Decidi contar essa história para que os mais jovens percebam que é preciso ter coragem de jogar o lixo pela janela, quando muita gente julga ser luxo. Afinal, quem é Cristiano Rangel e Luana Piovani? Ele, condenado e foragido da polícia, por espancar a namorada; ela, sempre sem norte, livrou-se dele para apanhar do Dolabella. Olha...

E eu – o índio “fora-da-lei”, como canta Gabriel Pensador – nem sei por que ainda estou vivo e sarado, contando essa história, depois de detonar policiais, delegados, vereadores, deputados, governadores, jornalistas, juízes, promotores, desembargadores, secretários, senadores e o chefe de todos eles. E não houve uma batalha sequer em que não encontrei os versos de “Cachimbo da Paz”, tipo:

“Foi mandado pro presídio e no caminho assistiu um
Acidente provocado por excesso de cerveja:
Uma jovem que bebeu demais atropelou
Um padre e os noivos na porta da igreja
E pro índio nada mais faz sentido:
Com tantas drogas porque só o seu cachimbo é proibido?”

Meu jornalismo, como me disse Jorge Portugal, entrou para o panteão. Será? Bem, isso pouco me importa diante das rotas que ainda preciso acenar aos meus filhos. Não posso jamais deixar a caretice me contaminar como se fosse um ebola – isso, sim, me instiga demais, porque “navegar é preciso, viver não é preciso”, para quem compreende e vive esse verso de Pessoa.

A verdade é que se eu me deixasse levar pela oferta da mãe de Gabriel Pensador não conseguiria erguer minha obra – insuperável no jornalismo brasileiro. E o que é pior: ACM ainda estaria vivo, poderoso e ferrando todo mundo – tal qual o coronel maranhense José Sarney, que teve a sorte de não conhecer um pitbull para infernizar a sua vida política e pessoal!

Só mais um detalhe: o site de Belisa Ribeiro fechou as portas, ela teve problemas de saúde e praticamente abandonou a carreira. Abriu um novo site em 2010 (www.belisaribeiro.com.br), mas não o abastece. Ah sim: Belisa foi importantíssima na minha vida, porque me propôs uma encruzilhada num momento vital – e eu segui o caminho bacana. Bem, chega de prosa! Vamos ouvir e queimar um “Cachimbo da Paz”.


Marconi De Souza ReisMarconi de Souza Reis - Jornalista e Advogado
Publicado originalmente no facebook do autor. A crônica foi autorizada gentilmente pelo próprio Marconi para o nosso blog. Antes que nossos leitores questionem, os fatos e as ideias contidas no texto são de responsabilidade do autor e não expressam necessariamente a linha editorial do blog. 

Serrapretense toma posse na Câmara Municipal de Salvador

 Tânia OliveiraA Câmara Municipal de Salvador deu posse a sete novos servidores do quadro pessoal efetivo, aprovados no concurso realizado em 2011. A cerimônia contou com a presença do diretor administrativo Beto Fagundes, da coordenadora de Recursos Humanos Maria José Pereira, do chefe do Setor de Protoloco Ismar Silva, da chefe do Setor de Treinamento Andréa Mello, e outros.

Os novos servidores são os assistentes legislativos da área administrativa Alexandro Soares Rangel, Ana Carolina Muniz Sampaio e Verônica Souza Santos Figueiredo; os analistas legislativos Jacilene Oliveira Gonzaga Andrade, Normaci Correia dos Santos Sena e Moara Carla Galvão; além da consultora jurídica Tatiane Gomes Silva Santos.

Informações adp: Câmara Municipal de Salvador

Serrapretense entre os efetivados

Normaci Correia é natural de Serra Preta, formada em biblioteconomia pela UFBA e agora faz parte do quadro de servidores públicos da Câmara Municipal de Salvador. Casada com Alexsandro Sena, também servidor da UNEB, Normaci é mais um exemplo que é possível conquistar sonhos através dos estudos e da dedicação.


9 de agosto de 2014

TV UFBA discute os 50 anos do filme 'Deus e o Diabo na Terra do Sol'


Em homenagem aos 50 anos do filme “Deus e o Diabo na Terra do Sol”, dirigido pelo cineasta Glauber Rocha, a TV UFBA convidou o Prof. Dr. José Umbelino Brasil (UFBA/FACOM) para destacar o impacto que o filme causou na época, considerando que sua estética e linguagem cinematográfica romperam radicalmente com tudo o que já se tinha visto no Brasil.

Considerado o marco do Cinema Novo, o filme foi gravado no interior da Bahia, no sertão nordestino. Negando os valores industriais, o cinema novo veio para desmistificar toda a produção que até antes de 1964 (ano de lançamento do filme), o Brasil tinha e ainda retratar questões da cultura e sociedade brasileira.

A história se desenrola quando o vaqueiro Manoel (Geraldo Del Rey) se revolta contra a exploração imposta pelo coronel Moraes (Mílton Roda) e o mata numa briga. Ele passa a ser perseguido por jagunços, o que faz com que fuja com sua esposa Rosa (Yoná Magalhães). Manoel decide juntar-se a um grupo religioso liderado por um santo (Sebastião) que lutava contra os grandes latifundiários e em busca do paraíso após a morte. Enquanto isso, os latifundiários contratam Antônio das Mortes para perseguir e matar o grupo.

Informações: TV UFBA
 

7 de agosto de 2014

Ministro do STF autoriza Genoino a cumprir pena em regime aberto

Genoino teve prisão decretada no dia 15 de novembro do ano passado e chegou a ser levado para o Presídio da Papuda
 
Genoino foi condenado pelo processo do mensalão no ano passado (Foto: Felipe Rau/Estadão Conteúdo)
O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou nesta quinta-feira (7) o ex-deputado federal José Genoino, condenado na Ação Penal 470, o processo do mensalão, a progredir para o regime aberto. Com a decisão, Genoino cumprirá o restante de sua pena em casa, onde terá que seguir regras estabelecidas pela Vara de Execuções Penais do Distrito Federal, que vai efetivar a decisão. 

Segundo Barroso, Genoino cumpriu um sexto da pena de quatro anos e oito meses de prisão no regime semiaberto, requisito para a passagem ao aberto. “Tendo em vista a documentação que instrui o pedido, considero atendido o requisito objetivo para a progressão de regime na data de 21 de julho de 2014. Da mesma forma, tenho por satisfeito o requisito subjetivo exigido pelo Artigo 112 da Lei de Execuções Penais, na medida em que, conforme já referido, há nos autos o atestado de bom comportamento carcerário e inexistem anotações de prática de infrações disciplinares pelo condenado”, decidiu o ministro. 

De acordo com o Código Penal, o regime aberto deve ser cumprido nas chamadas casas do albergado, para onde os presos voltam somente para dormir. Em muitos casos, diante da inexistência desse tipo de estabelecimento nos sistemas prisionais estaduais, os juízes determinam que o preso fique em casa e cumpra algumas regras, como horário para chegar, não sair da cidade sem autorização da Justiça e manter endereço fixo. 

Genoino teve prisão decretada no dia 15 de novembro do ano passado e chegou a ser levado para o Presídio da Papuda, no Distrito Federal. Mas, por determinação do presidente do STF, Joaquim Barbosa, ganhou o direito de cumprir prisão domiciliar temporária uma semana após a decretação da prisão. Em abril, o ex-parlamentar voltou a cumprir pena no presídio.



Serra Preta: Servidores Públicos ameaçam parar atividades

Servidores  cobram da administração municipal mais investimento na categoria

Os servidores públicos do município de Serra Preta desejam que o prefeito atendam suas reivindicações. Em assembleia geral, ocorrida nesta sexta-feira (07) no distrito de Ponto, os servidores discutiram os rumos que devem seguir frente a gestão atual.

Carregando faixas, os servidores, apoiadores, representantes sindicais e políticos seguiram até a Câmara Municipal, onde pretendem parar as atividades, caso as questões trabalhistas e as condições de trabalho não avançarem.

Informações e foto: Facebook de Edinélia Batista

Internado, Jô Soares não quer receber visitas no hospital


O apresentador Jô Soares, 76 anos, não quer receber visitas enquanto está hospitalizado - segundo o Uol, ele prefere que amigos e conhecidos usem o telefone para falar com ele neste momento. 

Jô deve ficar pelo menos mais uma semana afastado da televisão. O site do programa do Jô diz que mesmo com a melhora no quadro do apresentador, as gravações da semana que vem estão canceladas. 

"Está melhorando dia a dia, mas acho que o Jô não recebe alta antes do final de semana", disse o diretor Willem van Weerelt ao site do programa. Alex, assistente de Jô há mais de 20 anos, afirmou que o patrão passa bem. "O Jô está bem melhor e logo logo estará gravando novamente", avisa. 

Jô está internado no hospital Sírio Libanês, em São Paulo, onde deu entrada com princípio de pneumonia. Ele passa por tratamento com antibióticos e responde bem. 

Por conta do afastamento do apresentador, o programa está reprisando especiais feitos por Jô em seus 14 anos de Globo.

 

6 de agosto de 2014

Neste sábado, dia 9, o Circuito Cultural Belgo Bekaert apresenta o espetáculo infantil

Baixe O casamento da baratinha_Companhia Stromboli SP.jpg (114,7 KB)Neste sábado, dia 9, o Circuito Cultural Belgo Bekaert apresenta o espetáculo infantil O Casamento da Baratinha, no Teatro da CDL, com entrada gratuita‏

CIRCUITO CULTURAL BELGO BEKAERT
Diversos espetáculos teatrais compõem a programação do Circuito Cultural Belgo Bekaert, que a cidade de Feira de Santana vai receber pelo quarto ano consecutivo.

Promovido pela empresa Belgo Bekaert Arames, o Circuito tem como objetivo oferecer uma programação cultural regular à comunidade e contribuir para formação de público com espetáculos de reconhecida qualidade. A maratona cultural prossegue com grupos teatrais locais e nacionais, até dia 22 de novembro, sempre no Teatro da CDL.

Junte-se aos mais de quarenta e seis mil pessoas que já conferiram as apresentações do Circuito, desde a sua primeira edição, em 2011. A iniciativa conta com o estimulo da Lei Federal de Incentivo à Cultura e tem o apoio da Prefeitura Municipal de Feira de Santana, CDL, Fundação ArcelorMittal, TV Subaé, Hotel Classe Apart e da Lima Produções Culturais.

Informações recebidas por Carolina Campos, via e-mail. O blog não se responsabiliza pela programação, apenas se limitou a divulgar gratuitamente.

Senado aprova lei com novas regras para emancipação de municípios

Entre os critérios aprovados para a criação de municípios está a viabilidade financeira e população mínima.
Novo projeto dificulta mais o processo de emancipação do Bravo
O plenário do Senado aprovou hoje (5) o substitutivo da Câmara dos Deputados ao projeto de lei do senador Mozarildo Cavalcante (PTB-RR) que estabelece novas regras para fusão, incorporação e criação de novos municípios. O texto segue para sanção da presidenta Dilma Rousseff.

Entre os critérios aprovados para a criação de municípios está a viabilidade financeira e população mínima. O projeto estabelece número mínimo de habitantes, tanto para os novos municípios quanto para os municípios que perderem população. O quantitativo será 6 mil habitantes nas regiões Norte e Centro-Oeste, 12 mil na Região Nordeste e 20 mil nas regiões Sul e Sudeste.

O texto do Senado estabelecia como condição para a criação de municípios a exigência de uma área mínima territorial não inferior a 200 quilômetros quadrados (km²) nas regiões Norte e Centro-Oeste e de 100 km² nas regiões Nordeste, Sul e Sudeste. A proposta aprovada na Câmara retirou esta exigência.

O texto também excluiu a necessidade de um núcleo urbano mínimo como condição para a criação de distritos. Os deputados argumentaram que, da forma como o texto estava, a criação de municípios ficaria inviabilizada. A proposta aprovada estabelece apenas que o número de imóveis da área que pretende se separar seja maior que a média observada em 10% dos municípios com menor população no estado.
O projeto também determina que a criação, fusão ou o desmembramento de municípios seja feita por lei estadual, e dependerá, previamente, da execução de Estudo de Viabilidade Municipal (EVM), além de plebiscito envolvendo as populações dos municípios em litígio.

De acordo com o texto, “o procedimento terá início mediante requerimento dirigido à Assembleia Legislativa do respectivo estado”, subscrito por, no mínimo, 3% dos eleitores residentes em cada um dos municípios envolvidos, no caso de fusão ou incorporação, e de 20% dos eleitores residentes na área geográfica que se pretenda emancipar, no caso da criação de município.

O processo terá que ser efetivado no período compreendido entre a posse do prefeito e o último dia do ano anterior à realização das eleições municipais. Caso a criação seja rejeitada, é vedada a chamada para novo plebiscito nos próximos 12 anos.

Diversos senadores defenderam o substitutivo da Câmara. O senador Inácio Arruda (PCdoB-CE) ressaltou que “nunca viu um município emancipado piorar as suas condições” depois do processo.

O líder do PMDB, senador Eunício Oliveira (PMDB-CE), também elogiou o texto e disse que o projeto irá beneficiar a população dos municípios que vierem a se dividir ou fundir. “O interesse é que cada município tenha condição do seu desenvolvimento. As pessoas que ali nasceram querem viver bem, do ponto de vista também sustentável”.

A votação põe fim a longo debate no Legislativo e no Executivo sobre essa questão. No ano passado, a presidenta Dilma Rousseff vetou integralmente proposta similar, aprovada pelo Senado, por considerar que a medida iria onerar os cofres públicos com a criação de quase 300 municípios. Mas os vetos ainda não foram apreciados pelo Congresso e um acordo foi firmado para que nova proposta fosse apresentada. Com a aprovação do projeto hoje, os vetos ao texto anterior devem ser finalmente apreciados e mantidos pelos parlamentares.

Fonte: Agência Senado

O sonho acabou?

Bravo, distrito de Serra Preta, 170 km de Salvador, luta há anos pela emancipação. Na década de 90, o distrito submeteu ao processo emancipatório, mas a população da época rejeitou a proposta. Municípios como Madre de Deus e Pintadas conseguiram sua emancipação neste período e gozam de um relativo desenvolvimento comparado anteriormente.

Recentemente, a população de Bravo ficou feliz com a possibilidade de se emancipar, mas a presidenta Dilma rejeito o texto de Lei que facilitava o sonho. Mesmo com esta Lei mais rigorosa, há quem divulge que é possível o distrito se tornar cidade o mais rápido possível. Só na torcida e com muita luta!


Senadores discutem federalização da educação e programa de bolsas universitárias


A CE (Comissão de Educação, Cultura e Esporte) do Senado discutiu, terça-feira (5), um projeto de decreto legislativo que convoca plebiscito para consultar o eleitorado nacional sobre a federalização da educação básica e o programa bolsa de permanência universitária.

Ambas as propostas são do senador Cristovam Buarque (PDT-DF). Sobre a federalização do ensino, o parlamentar entende que a União deve assumir a responsabilidade. Hoje os estados e municípios são responsáveis por custear a educação infantil e os ensinos fundamental e médio.
Este projeto já esteve na pauta da comissão em julho, mas não foi votado por conta de um pedido coletivo de vista. Se passar pela Comissão de Educação, a proposta vai às Comissões de Assuntos Econômicos (CAE) e de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) para, posteriormente, ser votada em Plenário.

Programa de bolsas

Já o programa bolsa de permanência universitária oferecerá bolsas de estudo a alunos carentes matriculados em cursos reconhecidos de graduação, de tecnologia e sequenciais de formação específica em instituições autorizadas pelo MEC (Ministério da Educação).

O auxílio equivalerá a um salário mínimo, e o beneficiado deverá prestar serviço à União, com duração de 20 horas semanais, em regime de estágio, prioritariamente como monitor em escola da rede pública. Este projeto é terminativo na CE. Ou seja, só vai a Plenário se houver recurso.