14 de novembro de 2018

Cuba solicitou o retorno dos mais de 11 mil médicos cubanos depois que Bolsonaro questionou a preparação dos especialistas

Governo de Cuba informou nesta quarta-feira que está
saindo do programa social Mais Médicos no Brasil

 (Ueslei Marcelino/Reuters)
Havana – O governo de Cuba informou nesta quarta-feira que está saindo do programa social Mais Médicos no Brasil devido às declarações “ameaçadoras e depreciativas” do presidente eleito Jair Bolsonaro, que anunciou mudanças “inaceitáveis” ao projeto governamental.
“Diante desta lamentável realidade, o Ministério da Saúde Pública (Minsap) de Cuba tomou a decisão de não continuar participando do programa ‘Mais Médicos’ e assim o comunicou à diretora da OPS (Organização Pan-Americana da Saúde) e aos líderes políticos brasileiros que fundaram e defenderam esta iniciativa”, anunciou a entidade em comunicado.
Cuba tomou a decisão de solicitar o retorno dos mais de 11 mil médicos cubanos que trabalham atualmente no Brasil depois que Bolsonaro questionou a preparação dos especialistas, condicionou sua permanência no programa “à revalidação do diploma” e impôs “como via única a contratação individual”.
No Twitter, o presidente eleito afirmou que condicionou para a continuidade do programa de saúde a “aplicação de teste de capacidade, salário integral aos profissionais cubanos, hoje maior parte destinados à ditadura, e a liberdade para trazerem suas famílias.”


13 de novembro de 2018

Alexandre Augusto lança livro Mulheres de Pedra nesta terça (13), em Salvador

Elas ganham R$ 55 a cada mil 
paralelepípedos talhados
Mulheres ganham a vida quebrando pedras na Chapada Diamantina
 (Alexandre Augusto/Divulgação)
Quem anda pelos calçamentos de paralelepípedo espalhados pela cidade não imagina que, por trás deles, estão mulheres que ganham a vida quebrando blocos de pedras. E foi em uma das suas viagens pelo interior da Bahia que o jornalista, escritor e fotógrafo Alexandre Augusto, 47 anos, cruzou com as histórias dessas trabalhadoras, que são um exemplo de força e luta.
Durante dois anos, ele fez diversos registros mostrando o cotidiano dessas mulheres. Eles foram reunidos em uma exposição, a Mulheres de Pedra, em 2017, e agora são reeditados no livro Stone Women (Editora Noir), que será lançado nesta terça-feira (13), em Salvador. A obra traz 46 imagens e traça uma trilha visual pelas cidades de Itaetê e Itatim, na Chapada Diamantina, onde a chuva não cai e as cores são dadas pelas mulheres. 
“Com camisas enroladas no rosto e no pescoço, esmaltes nos pés e combinações de roupas que soariam fashion em qualquer editorial de moda mais despojado, essas mulheres têm uma grande força e uma vaidade sem igual”, comenta Alexandre. 
A força, a humanidade e a simplicidade dessas trabalhadoras o arrebataram de forma inexplicável, ele conta. Elas trabalham de sol a sol para botar comida na mesa e ainda lidam com diversas atribuições, como cuidar da casa, dos filhos, etc. “Tenho uma necessidade quase visceral por contar histórias. Com as  fotos, quero mostrar o que meus olhos viram: a dignidade dessas mães, esposas e filhas. Mulheres de Pedra no sentido mais literal e no mais poético. Força, beleza, aridez, delicadeza... tudo junto”, explica. 
“Quando cheguei lá, a primeira coisa que questionei foram as condições de trabalho"
Formado em jornalismo pela Ufba, Alexandre escreveu a biografia do cantor
Moreira da Silva, indicada ao Jabuti, prêmio literário mais prestigiado do país
Fé que, inclusive, as ajuda a manter a tradição local de quebrar pedras para sobreviver. Elas ganham R$ 55 a cada mil paralelepípedos talhados. “Quando cheguei lá, a primeira coisa que questionei foram as condições de trabalho.  Uma das mais velhas me deu logo um esporro: ‘Meu filho, eu dou graças a Deus pela pedra. É graças a pedra que fui criada e criei os meus filhos’”, lembra Alexandre.
Apesar dos cliques dialogarem com questões em evidência  - como empoderamento feminino - Alexandre diz que o projeto foca nisso de forma despretensiosa: “Não foi programado, simplesmente tropecei no tema. Não pensei em gênero e nem em empoderamento. A história delas era mais forte do que todo o resto. Tinha de contar aquilo”.
Memória
O livro, portanto, veio de um desejo de eternizar essas histórias. “Tinha ainda muito material. Enquanto exposições terminam, livros são uma forma de eternizar”, diz. 

Mulheres de Pedra marca a estreia do artista como fotógrafo. Formado em jornalismo pela Ufba, Alexandre escreveu a biografia do cantor  Moreira da Silva, indicada ao Jabuti, prêmio literário mais prestigiado do país. 
Morou na A´frica, em Angola - escrevendo reportagens sobre a guerra,  acompanhando os conflitos de perto – e há três anos vive em Londres, na Inglaterra: “Nunca vi um povo tão trabalhador. Isso foi o que mais me chamou atenção. É o  exemplo de superação mais forte que encontrei na vida”.
 

LANÇAMENTO DO LIVRO EM SALVADOR
O quê: Lançamento do livro Stone Women (Mulheres de Pedra), de Alexandre Augusto. Evento terá sessão de autógrafos e coquetel;
Quando: Terça-feira (13), às 18h
Onde: Na Paulo Darzé Galeri (Rua Dr. Chrysippo de Aguiar, 8 - Vitória);
Quanto: evento gratuito. Livro: R$ 200.


Marido de Claudia Leitte se manifesta sobre situação com Silvio Santos!


O marido de Claudia Leitte, Marcio Pedreira,resolveu se manifestar no Instagram após a situação que a cantora passou no último sábado (10) durante o ‘Teleton’. Ao vivo, Silvio Santos protagonizou comentários machistas sobre a cantora. O empresário publicou ontem (12) uma foto ao lado de Claudia e dos filhos, Rafael, de 6 anos, e Davi, de 9, e escreveu uma mensagem de apoio.

“Claudia Cristina Leite Inacio Pedreira, mulher, filha, mãe, esposa, te amamos!! Você merece respeito!!! Continue fazendo com muito amor tudo da sua vida!!”, disse ele.

11 de novembro de 2018

“Governo não manda no Enem”, diz presidente do Inep; Bolsonaro criticou questões do exame

Maria Inês: "Só lamento que algumas leituras tenham sido equivocadas"
Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), autarquia responsável pela aplicação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), a educadora Maria Inês Fini foi taxativa ao comentar a natureza do exame. "Não é o Governo que manda na prova", disse a doutora em Ciência, à frente do Inep desde maio de 2016.
Fundadora da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Maria Inês concedeu entrevista ao grupo do jornal espanhol El País, que atua no Brasil, na última segunda-feira (5), cinco dias antes da transmissão de vídeo em que o presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), criticou uma questão do Enem relativa à espécie de dialeto falado por gays e travestis, o "pajubá" (veja abaixo a reprodução da questão, usada para abordar conhecimento técnico especificamente relacionado ao patrimônio linguístico brasileiro).
Ontem (sexta, 9), durante o registro de vídeo no Facebook, Bolsonaro disse que esse tipo de pergunta será excluído do Enem, e que sua equipe vai vistoriar as provas antes da aplicação.do exame, que dá a estudantes acesso a mais de 500 universidades públicas e privadas.
"Este tema, da linguagem particular daquelas pessoas... O que temos a ver com isso, meu Deus do céu? Quando a gente vai ver a tradução daquelas palavras... um absurdo, um absurdo! Vai obrigar a molecada a se interessar por isso, agora?", reclamou Bolsonaro, elencando as "ideologias de gênero" entre as questões que ele diz considerar desimportantes (veja mais em vídeo).
Bolsonaro e seus seguidores têm espalhado a versão de que universidades e escolas brasileiras promovem "doutrinação de esquerda" e fomentam a discussão sobre "ideologia de gênero". As críticas são lançadas principalmente por meio de redes sociais (veja exemplo abaixo, no Twitter), mas também em entrevistas de TV e rádio.

10 de novembro de 2018

Após vaias no Brasil, Roger Waters é condecorado como ‘cidadão ilustre’ no Uruguai

O baixista e compositor Roger Waters
Qualquer fã minimamente atento da banda inglesa Pink Floyd sabe que uma das afirmações essenciais de seu trabalho, em especial nas obras do baixista e compositor Roger Waters, é a posição contra o fascismo no mundo. Pois o momento político brasileiro é tão incomum que, em sua passagem recente por aqui, Waters foi vaiado por justamente se posicionar contra o fascismo em seus shows.
Sua turnê, porém, continua, e ao chegar no Uruguai, a gritante diferença cultural e política entre nosso momento atual e de nossos vizinhos gritou mais uma vez: por lá, Roger Waters foi condecorado como “visitante ilustre” da capital Montevidéu.
Em seu show no Uruguai no último dia 3, Waters não só celebrou a importância de um país que, “mesmo com uma pequena população, é enorme em termos de influência para o mundo”, como também celebrou o ex-presidente Pepe Mujica. “Agradeço a Pepe Mujica, entre outros, por ter tido a inteligência e o coração para sugerir que existem outros caminhos, o caminho da comunidade. Todos temos que aprender a atuar como uma comunidade global de humanos”, disse Waters.
As críticas às políticas atuais não pararam: o ex-baixista do Pink Floyd ainda parabenizou o Uruguai por “rejeitar as políticas neoliberais” que dominam hoje o ocidente, e lembrou que é preciso acabar com a lacuna que separa “os imensamente ricos do resto dos seres humanos”.

30 de outubro de 2018

Serra Preta não se rendeu ao novo presidente





Jair Messias Bolsonaro, do PSL, foi eleito presidente da República neste domingo (28) ao derrotar em segundo turno o petista Fernando Haddad, interrompendo um ciclo de vitórias do PT que vinha desde 2002.

No Território de Identidade Bacia do Jacuípe o novo presidente não venceu em nenhuma cidade, perdendo na maioria dos municípios com uma diferença bem considerável.

Pintadas com 37,67%, Quixabeira com 31,01% e Capim Grosso com 32,8% foram as cidades do território que deram o maior percentual para o novo presidente do Brasil.

Já Serra Preta foi a cidade em que Jair Bolsonaro teve o menor percentual - 13,65%, enquanto Haddad obteve 86,34% dos votos válidos.



LEIA TAMBÉM

No Parlamento alemão, impeachment de Dilma é chamado de golpe e conspiração

Dilma obteve votação esmagadora em Serra Preta


23 de outubro de 2018

Caetano Veloso entrevista Roger Waters sobre "onda fascista"

Caetano Veloso e Roger Waters em encontro na última segunda-feira (dia 23)
O músico Caetano Veloso entrevistou o britânico Roger Waters, na noite de segunda-feira (dia 22), em sua casa no Rio de Janeiro. O ex-integrante da banda Pink Floyd segue em turnê pelo Brasil com apresentações e fará um show na capital fluminense nesta quarta-feira (dia 24).
“O assunto foi o fascismo, claro, a onda que está vindo no mundo inteiro e agora no Brasil, com Bolsonaro”, afirmou ao UOL a produtora Paula Lavigne, esposa de Caetano Veloso. O resultado das gravações será exibido nesta quarta-feira (dia 24), na próxima coluna do cantor baiano no site Mídia Ninja. A relação entre Caetano Veloso e Roger Waters ficou mais próxima no ano de 2015, quando o ex-Pink Floyd enviou uma carta ao cantor baiano, pedindo para que o músico cancelasse seu show em parceria com Gilberto Gil em Tel Aviv, em Israel, por razões políticas.



17 de outubro de 2018

Em evento com evangélicos, Haddad desmente fake news


Em ato com mais de 200 lideranças evangélicas na manhã desta quarta-feira, 17, em São Paulo, o candidato do PT à Presidência da República, Fernando Haddad, e líderes religiosos aliados ao petista tentaram desmentir as fake news difundidas nas eleições 2018. "Muitos de nossos irmãos estão sendo enganados por pastores mal intencionados ou mal informados", disse o pastor Ariovaldo Ramos, líder da Frente de Evangélicos pelo Estado de Direito.

Ele abriu o evento com um trecho do evangelho quer diz "nada podemos contra a verdade senão a verdade" e encerrou o ato com uma oração rogando "pelo triunfo da verdade contra a mentira". Em praticamente todas as falas, lideranças religiosas condenaram as mentiras espalhadas nas redes sociais contra o candidato do PT que tinham como público alvo o eleitorado evangélico.

Haddad distribuiu uma Carta Aberta ao Povo de Deus na qual relata sua formação religiosa --seu avô era sacerdote da Igreja Católica Ortodoxa-- e também tenta esclarecer as mentiras espalhadas via WhatsApp voltadas ao público evangélico.

"Nenhum de nossos governos encaminhou ao Congresso leis inexistentes pelas quais nos atacam: legalização do aborto, kit gay, taxação de templos, proibição de culto público, escolha de sexo pelas crianças", diz o documento.

O candidato lembrou que em sua passagem pela Prefeitura de São Paulo aprovou normas que flexibilizavam as exigências legais para cultos na periferia da cidade. "Não é uma carta de conveniência", disse o petista. "Além de ter sido educado no cristianismo, escolhi abraçar o cristianismo", completou.



15 de outubro de 2018

Marielle Franco é homenageada em novo samba-enredo da Mangueira

Em um trecho, o samba diz "Brasil chegou a vez de ouvir as Marias, Mahins, Marielles e malês"
A Estação Primeira de Mangueira escolheu na noite de sábado, 13, o samba-enredo para o carnaval de 2019, que terá o tema "História pra Ninar Gente Grande". A música escolhida faz menção à vereadora Marielle Franco, assassinada a tiros em março deste ano, e é de autoria de Deivid Domênico Tomaz Miranda, Mama, Marcio Bola, Ronie Oliveira e Danilo Firmino.
Em um trecho, o samba diz "Brasil chegou a vez de ouvir as Marias, Mahins, Marielles e malês", em referência à vereadora e, também, à Luísa Mahin, uma das lideranças da Revolta dos Malês, no século 19.
Em sua página na internet, a escola diz que o enredo trará as "páginas ausentes" da história brasileira. "Se a história oficial é uma sucessão de versões dos fatos, o enredo que proponho é uma 'outra versão'. Com um povo chegado a novelas, romances, mocinhos, bandidos, reis, descobridores e princesas, a história do Brasil foi transformada em uma espécie de partida de futebol na qual preferimos 'torcer' para quem 'ganhou'. Esquecemos, porém, que na torcida pelo vitorioso, os vencidos fomos nós."

Flica 2018 é encerrada com debate sobre protagonismo da mulher negra na literatura

A festa literária promoveu mais de 20 horas de debates
A Festa Literária Internacional de Cachoeira (Flica) chegou ao último dia, na manhã deste domingo (14), com a mesa 'Diálogos Insubmissos de Mulheres Negras'. A discussão é parte do projeto da professora e doutoranda em Literatura e Cultura Dayse Sacramento, que se debruça sobre o livro 'Insubmissas Lágrimas de Mulheres', escrito por Conceição Evaristo, grande homenageada da 8ª edição da Flica. 

Com a participação de um grupo de mulheres negras, o projeto orientado por Dayse analisa os 13 relatos que compõem a publicação de Evaristo. Na abertura da mesa, a pesquisadora ressaltou a pouca representação das mulheres negras na sociedade. 

“Nós, mulheres negras, somos 27,5% da população deste país e não estamos representadas. Muitas vezes, temos as nossas representações negligenciadas nos espaços de poder. Temos como exemplo o boicote à eleição de Conceição Evaristo para a Academia Brasileira de Letras [ABL], uma instituição que, historicamente, nunca contou com a nossa presença, o nosso corpo, o nosso cabelo e o nosso texto dentro da ABL”, desabafou Sacramento. 

Desde a última quinta-feira (11), a festa literária, patrocinada pelo Governo do Estado, promoveu mais de 20 horas de debates no claustro do Conjunto do Carmo. Mais de 22 atrações divertiram as crianças no Espaço Fliquinha. Na Casa do Governo/ Fundação Hansen Bahia, secretarias estaduais realizaram os diversos tipos de atividade, a exemplo de saraus, oficinas e bate-papos. 

De acordo com o coordenador-geral da Flica e um dos idealizadores do evento, Emmanuel Mirdad, a 8ª edição é marcada pela consolidação definitiva da Flica. “A cidade está completamente tomada de gente participando da Flica. Agora vamos nos debruçar sobre os preparativos para a próxima edição, a exemplo da necessidade de ampliação do espaço. Tem muita gente na Bahia e fora que deseja vir para cá, já que a Flica agora reverbera como a segunda maior festa literária do país”, avaliou.  

Questionado sobre a repercussão positiva de promover a discussão da representatividade da escrita de mulheres negras, Mirdad garantiu que a Flica sempre esteve atenta a públicos que não são contemplados nos meios tradicionais. 

“A gente sempre trouxe os grandes autores nacionais, mas também os escritores independentes e editoras pequenas. Ao homenagear Conceição Evaristo, percebemos que era o momento de dar uma evidência maior às mulheres negras”, concluiu o coordenador. 

Fotos: Elói Corrêa/GOVBA
Secom  - Secretaria de Comunicação Social - Governo da Bahia

14 de outubro de 2018

Evento jurídico reúne palestrantes de destaque para prestigiar e debater os 30 anos da Constituição às vésperas do 2º Turno das Eleições.

"Serão abordados os diversos temas que a Constituição Brasileira, analítica, dispõe"


No dia 26 de outubro próximo, sexta-feira anterior ao fervilhante segundo turno da Eleição Presidencial na qual ambos os candidatos já chegaram a falar em uma “nova Constituição”, importantes mentes do Direito da Bahia debatem os 30 anos da Constituição Federal, em evento inédito, com participação direta do público, no Auditório da FTC (Módulo I – Nível I), Campus Paralela, pela manhã.

Documento foi promulgado 
em 5 de outubro de 1988
30 Anos de Constituição – Realidade ou Folha de Papel?” é o nome-tema do primeiro Ciclo de Debates que marcará o lançamento da Escola de Advocacia da Bahia - EAB, única instituição credenciada pela Escola Superior Prof. Orlando Gomes, da OAB, para cursos de Pós-graduação, que serão realizados em convênio que acaba de ser assinado e que possibilita uma série de vantagens aos advogados baianos, como desconto de 20% em sua primeira turma de Pós, com início de aulas já previsto para março de 2019.

“O primeiro curso de Pós da Escola será inédito no ensino jurídico do país. É um curso voltado não só para advogados e advogadas, mas estruturado especialmente para eles e elas. Inédito por que o objetivo do curso é formar um profissional capacitado e gabaritado para lidar sozinho com o processo no seu dia-a-dia, em seus mais novos formatos e vicissitudes. É um curso com viés prático, com conteúdo interligado, disciplinas nunca antes estudadas e que adota uma visão global e inovadora de ensino. Não é um curso para se colocar no armário, mas para complementar a formação de advogados-líderes, que entendam de gestão e possam tocar o seu próprio escritório, com sucesso e destaque no mercado da advocacia”, explica o Prof. Henrique Quintanilha, Coordenador da Pós-graduação. E complementa: “o profissional do Direto, seja ele advogado, servidor público ou aquele que passou um tempo fora do mercado, está cansado de ´bater ponto´ na cancela eletrônica de uma faculdade apenas para marcar presença e guardar um certificado numa pasta ou no fundo de um armário, ao fim do curso. Esse modelo que ´frauda´ o verdadeiro ensino e prejudica o aprendizado, a busca do saber real e mais consistente, prejudicando a qualidade, em suma, a de ser e se sentir um profissional melhor e mais capacitado, acabou. Teremos registro de comparecimento na modalidade presencial, claro, mas não priorizando uma assinatura numa lista e sim com a devida participação do estudante, como se faz nos cursos de Mestrado, num processo de debate constante de idas-e-vindas, tipicamente dialético, de construção compartilhada do conhecimento, com a presença das melhores cabeças do Direito local e nacional, para que nosso futuro aluno saia do curso e diga: eu sei não só responder a perguntas de concurso ou dar entrada numa petição, mas eu sei sozinho estabelecer uma estratégia eficiente, gerir até o fim e vencer um processo judicial, do mais simples ao mais complexo”.

Perguntado sobre qual área do Direito se destinará o primeiro curso nesse convênio inédito firmado com a ESA-OAB/BA, Quintanilha faz mistério: “Cada coisa no seu tempo. Assim como a estrutura, os professores, o método e a relação didática aluno-professor, a área de concentração será também inovadora e pautada na esteira do mais moderno modelo de ensino jurídico já implementado pelas mais destacadas universidades europeias. Os cursos de Pós lato sensu, ou a chamada ´especialização´, nos moldes em que existem hoje estão com os dias contados, apenas isso que posso dizer: ao menos na Escola de Advocacia da Bahia será assim”, encerra.

Farão parte da mesa do evento sobre os “30 anos de Constituição” além do Conselheiro Federal da OAB, Dr. Fabrício Castro de Oliveira, os renomados palestrantes: Prof. Dr. Durval Carneiro Neto, juiz federal, autor de obras jurídicas e professor da UFBA, Prof. Dr. Vladimir Aras, procurador regional da república em Brasília, responsável pelo núcleo de Cooperação Internacional da Lava-Jato na PGR, Prof. Ivan Kertzman, auditor da receita e autor de diversas obras em Direito Previdenciário, Prof. Iratan Vilas Boas, Diretor de Fiscalização do PROCON-BA, e Henrique Quintanilha, que fez Mestrado em Direito e foi professor substituto da UFBA nos anos 2006/2008 e 2011/2013, Coordenador do ciclo de debates.

Serão abordados os diversos temas que a Constituição Brasileira, analítica, dispõe, analisando-se não só abordagens hermenêuticas atuais como a prisão em segunda instância, a eficácia plena das normas programáticas, o ativismo judicial, o papel do Supremo, as 105 emendas e as possibilidades – ou não – de se convocar uma “nova Constituinte” mencionada pelos 2 candidatos à Presidência e o que mudou da Carta original para cá, mas também um breve escorço histórico do Brasil e a evolução do Estado Democrático de Direito nessas últimas 3 décadas.

Diferente dos seminários comuns, extremamente formais e sem espaço para perguntas e respostas orais, o ciclo de debates, como o próprio nome diz, abrirá espaços para perguntas e colocações pelos inscritos através do uso de microfones. O Evento contará com o apoio de instituições de renome, bem como “coffee break” patrocinado pela PERINI.

As pré-inscrições podem ser feitas por enquanto diretamente pelo email: fbarreto.com@ftc.edu.br ou pelo WhatsApp: (71) 99333-0202, com retorno de confirmação. Será emitido certificado de 5h para fins curriculares. Imperdível.

Informações: Assessoria de Imprensa do Evento via e-mail.

13 de outubro de 2018

Maior hotel em atividade de Salvador fecha as portas em novembro; setor lamenta

(Foto: Marina Silva/Arquivo CORREIO)
A partir do dia 19 de novembro, Salvador vai perder o seu maior hotel em atividade. Quase três anos após o fechamento do Hotel Pestana, agora é o Bahia Othon Palace Hotel, localizado na orla de Ondina, que deve encerrar o funcionamento na cidade.
De acordo com o presidente da Salvador Destination, Roberto Duran, a decisão do conselho diretor do estabelecimento é de manter as portas abertas até o dia 18 do mês que vem. Ainda segundo ele, a entidade tomou conhecimento do fechamento há aproximadamente uma semana. 
Ele atribui a decisão à falta de investimento no turismo brasileiro – principalmente, na divulgação dos principais destinos do país, a exemplo de Salvador. “Isso foi causado pela crise, pela falta de investimento do governo federal e do governo estadual, que não veem o turismo como prioridade. O pouco que foi feito por Salvador não conseguiu reverter por completo”.
Ainda conforme o presidente da Salvador Destination (associação de empresas locais que tem como missão promover e divulgar a cidade no segmento de eventos nacionais e internacionais), entre 190 e 200 funcionários trabalham diretamente no Bahia Othon Palace, que conta com 284 apartamentos.

Foto: Evandro Veiga/Arquivo CORREIO
Menos um centro de convenções

Além do prejuízo com a perda de mais um hotel, o presidente da Federação Baiana de Hospedagem e Alimentação (Febha), Silvio Pessoa, destaca que a capital baiana deixa de ter mais um centro de convenções.
Agora, são considerados grandes centros de convenções apenas os dos hotéis Fiesta, no Itaigara, e Gran Hotel Stella Maris, em Stella Maris.
Na avaliação de Pessoa, o fim das atividades do Othon também está relacionada ao grande incentivo para a construção de hotéis nos anos que antecederam a Copa do Mundo e as Olimpíadas. Para ele, não houve estudos de viabilidade econômica.
“Além disso, não tem promoção no exterior. A Embratur (Instituto Brasileiro de Turismo) tem apenas 17 milhões de dólares para promover o turismo brasileiro no exterior por ano, enquanto o México tem US$ 470 milhões e o Peru investe US$ 70 milhões. Ou seja, nós não investimos no turismo porque não é prioridade para a Bahia, para Salvador, para o Nordeste”, critica.

Todo mundo no vermelho

Segundo Roberto Duran, dos 404 hotéis de Salvador, pelo menos 401 vêm operando no vermelho há quatro anos. O presidente da Salvador Destination preferiu não revelar quais são os estabelecimentos que não vêm tendo prejuízo.

“Ou seja, eles estão pagando para manter as portas abertas. Houve uma melhora no segundo semestre de 2017 e no início deste ano, mas ainda não foi suficiente. Por isso, esperamos não ter nenhuma outra surpresa”, conclui.

12 de outubro de 2018

Autores baianos fazem lançamentos de livros na Flica


A Festa Literária Internacional de Cachoeira (Flica) movimenta a cidade do Recôncavo baiano até domingo (14). Em sua oitava edição, o evento conta com diversas programações como debates literários, exposições, lançamentos de livros, apresentações artísticas, palestras, contações de histórias e muito mais para adultos e crianças.
No primeiro dia de Flica, que aconteceu nesta quinta-feira (11), foi a vez do relançamento da edição comemorativa de Cadernos Negros 40 anos. Em 2018, a mais longeva antologia afro-brasileira completa 40 anos de existência e, na oportunidade, teve um recital com os autores baianos que fizeram parte dessa edição comemorativa.
Com publicações anuais desde seu primeiro lançamento, a antologia tem um papel fundamental na literatura brasileira, tendo, ao longo de suas quatro décadas, textos assinados por escritores que marcam a história com reflexões sobre a temática afro-brasileira. No volume 40, conta com 42 autores e com texto da contracapa assinado pelo ator Lázaro Ramos. 
Tem mais
A programação continua nesta sexta-feira, feriado de 12 de outubro, com lançamento e bate-papo com os autores Franciel Cruz e Alex Simões, dos livros Ingresia e Trans formas são, respectivamente. O evento será no auditório da casa Educar para Transformar, às 16h30.
Já no sábado (13), os autores baianos Caó Alves, José Walter Pires e Emanuela de Carvalho lançam seus livros Almofadas com Pelos de Gato, A Epopéia de Horácio de Matos: O Coronel da Chapada” e "A Terceira Pessoa Depois de Ninguém com um descontraído bate-papo. O lançamento acontece às 16h30h, no mesmo local dos lançamentos anteriores.
Para a diretora Bárbara Falcón, da Diretoria do Livro e da Leitura (DLL), da Fundação Pedro Calmon (FPC), “a procura por essa oportunidade de ter um lançamento em uma Festa Literária é grande”, disse ela. Ainda segundo Falcón, “esse tipo de evento é um espaço privilegiado, uma vez que oferece um lançamento para um público mais sensível a leitura e interessado na atividade, além de disponibilizarmos divulgação e necessidades técnicas que resultam em mais visibilidade para o autor e oferece oportunidade do leitor ter acesso ao autor”, acrescenta a diretora.
Essas programações de lançamentos estão sendo realizados pela FPC, órgão vinculado à Secretaria de Cultura da Bahia (SecultBA).
 O evento tem o patrocínio do governo do estado, o apoio da prefeitura de Cachoeira, Caixa e governo federal, e realização da Icontent e Cali. 
Leia e Passe Adiante
Aproveitando a chegada do mês em que celebra o Dia Nacional do Livro (29), a FPC doará 3 mil livros para o público da Flica, através da segunda edição da campanha Leia e Passe Adiante. O principal objetivo da campanha é o incentivo ao hábito da leitura e faz parte do Plano Estadual do Livro e Leitura. A Biblioteca de Extensão (Bibex) também estará na cidade do Recôncavo, na Praça Teixeira de Freitas, levando contações de histórias, jogos, espetáculos teatrais e oficinas literárias para o público infantojuvenil.

Haddad participa de missa na periferia de São Paulo


SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, participou na manhã desta sexta-feira (12) de missa na paróquia Santos Mártires, no Jardim Ângela, na periferia de São Paulo.
Durante a homilia, o padre irlandês Jaime Crowe conclamou uma oração às vítimas da violência em campanhas políticas.
"Arma é instrumento de morte", disse.
Na saudação, incentivados pelo padre, Haddad e fiéis repetiram três vezes: "senhor, que a paz reine neste pais".
Haddad, sua mulher, Ana Estela, e a vice do candidato, Manuela D'Ávila (PC do B), comungaram.
ELEITORA
Haddad foi abordado na manhã desta sexta-feira (12) por uma eleitora que chamava de sacrilégio sua presença durante celebração de missa na Paróquia Santos Mártires, no Jardim Ângela, na periferia de São Paulo.
Ainda dentro da igreja, a eleitora, que não quis se identificar, chamava Haddad de abortista.
"Sou neto de um líder religioso e você deve ser ateia", reagiu ele.
Mais tarde, ao ser questionado sobre o entrevero, Haddad disse ter perguntado se ela era ateia.
Durante entrevista, ocorrida após a missa, o candidato disse que tem sido acompanhado por provocadores.
Enquanto falava, Anderson Elias Silva, 25, perguntava: "E o Maduro?"

SERRA PRETA: Quem tem voto é Ele

Prefeito Aldinho sai forte do pleito eleitoral e já pode pensar em reeleição
Desde que conquistou o governo municipal com 6.795 votos, o prefeito Aldinho não para de reunir eleitores. Rogério Serafim, conhecido como Aldinho, é filho do ex-prefeito Dozinho, já foi vereador duas vezes, se absteve de candidatura por um bom período, mas parece que veio para se firmar em 2016.

Porém, nem tudo são flores na vida de Aldinho. Quando se candidatou a vereador, se elegeu entre os últimos com uma votação apertada. Já na reeleição, foi o vereador mais votado com quase mil votos.  Para prefeito, se elegeu em 2016 com 6.795 votos, com uma diferença de menos de 200 votos para seu adversário. Hoje, se comenta em uma reeleição com facilidade.

Ao assumir o governo, Aldinho não fez maioria na Câmara, possui apenas 4 vereadores. Assumiu o governo numa das maiores crises econômicas do Brasil por causa do golpe institucional. Serra Preta enfrentava uma das maiores secas de todos os tempos. Seus eleitores cobravam emprego imediato na máquina pública, sofria críticas duras da oposição e setores velados dentro do próprio governo.

A força da campanha começou no lançamento das candidaturas
Esse cenário desfavorável parecia refletir na credibilidade política de Aldinho. Os mais pessimistas chegavam a dizer que seus representantes para a Assembleia Estadual e Federal seriam os últimos colocados no município. Somado a isso, Aldinho tivera que enfrentar uma fragmentação nos apoios dentro do próprio grupo político. O PT, principal base de apoio, apoiou dois deputados federais: Zé Neto e Elisângela. O Ex-prefeito Benedito apoiou o deputado Paulo Magalhães.

Não teve briga interna, só rugas e disputa por microfone. O prefeito Aldinho precisava conduzir o processo, cedendo espaço para todos da base, contando com a credibilidade do trabalho realizado e nas articulações, inclusive com eleitores descolados da oposição.
A fórmula deu certo! Ao abrir as urnas, o prefeito Aldinho saiu vitorioso em qualquer análise possível. Deu a seu candidato a deputado federal Bacelar a maior votação: 3.428 e seu deputado estadual disparou com 3.833.

Agradecimentos e reeleição

Facebook de Rogério Serafim
Acompanhamos o prefeito Aldinho pela zona rural, onde foi agradecer as comunidades pelo apoio recebido. Questionamos se o governo saiu fortalecido e a resposta era direta: “sim, o povo compreendeu que estamos trabalhando e vai continuar ainda mais”. Porém, atribuiu a quantidade de votos a ‘força do grupo’. Preguntado sobre reeleição, Aldinho disse que está cedo, mas não escondeu a possibilidade de conduzir um novo processo eleitoral com uma vitória muito mais expressiva em 2020.

O PT como segunda força

Zé Neto (PT) foi eleito Deputado Federal e contou com uma boa votação em Serra Preta
Os números também foram bons com o Partido dos Trabalhadores local. O PT de Serra Preta ocupa duas secretarias e demonstrou força eleitoral. Além do trabalho, o partido foi favorecido com as candidaturas estaduais de Rui Costa e Haddad. O PT soube explorar como ninguém o voto casado, já que Rui Costa era absoluto e Haddad com a uma aceitação extraordinária.

Se o governo Aldinho conseguir manter a sua liderança, 2020 será mais tranquilo que as eleições de 2016. Aldinho pode conquistar com certa facilidade a reeleição ou será o melhor padrinho político para eleger um novo prefeito. 

As eleições também demonstraram que Aldinho tem total controle da gestão, que pode resolver qualquer oposição velada e uma possível reforma administrativa. Não há paraíso fora do governo!

LEIA TAMBÉM
Haddad conquista 80% dos votos de Serra Preta


Estudantes e pesquisadores brasileiros em Harvard e MIT declaram apoio a Haddad em vídeo


Um grupo de estudantes e pesquisadores brasileiros que estudam na Harvard e no Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) gravou um vídeo para declarar apoio à candidatura de Fernando Haddad (PT) à Presidência da República.
“Eu fui o primeiro da minha família na universidade e se hoje eu faço mestrado no MIT é por conta das oportunidades que tive na escola pública”, diz um dos apoiadores.
Filha de professores, uma das apoiadoras lembrou da gestão Haddad no Ministério da Educação. “Eu voto no Haddad porque sou filha de professores e acredito na educação para transformar o Brasil e ele foi um dos melhores Ministros da Educação que a gente já teve”.
“Mesmo os adversários mais ferrenhos reconhecem que ele é um cara sério, capaz e honesto. E acho que é isso que o Brasil precisa”, diz um outro apoiador.

9 de outubro de 2018

Haddad conquista 80% dos votos de Serra Preta

Reprodução: G1
Serra Preta acompanhou a tendência do Nordeste e deu ao candidato Haddad (PT) 80,32% votos. Bolsonaro, segundo colocado, ficou apenas 11,39% votos, seguindo de Ciro Gomes com 4,59% dos votos.

Se dependesse de Serra Preta, Haddad já seria o presidente do Brasil logo no primeiro turno. Em Serra Preta, Haddad recebeu apoio do prefeito Aldinho (Podemos) e boa parte de sua base eleitoral.

Para muitos serrapretenses, a expressa vantagem é fruto do reconhecimento das políticas sociais do PT no município e em todo nordeste. A região cresceu 9% ao ano nos governos Lula/Dilma e viu sua qualidade de vida cair depois do golpe institucional liderando por Temer e Eduardo Cunha. Segundo Geovanne Barreto, muitos eleitores estão atentos ao momento histórico e não vão poupar lideranças municipais que apoiaram a política da intolerância.

O 2° turno das eleições será entre Bolsonaro e Haddad. Certamente, Serra Preta pode ser notícia nacional como o município que maior votação dará ao presidente Haddad no 2° turno

LEIA TAMBÉM