24 de novembro de 2011

MARACANGALHA EXISTE

Por Cátia Garcez 
Catiagarcez@hotmail.com
Maracangalha ficou famosa com a música de Dorival Caymmi, homenageado com o símbolo de seu violão em plena praça pública do Distrito.

Maracangalha é um dos quatro distritos do município São Sebastião do Passé no Estado da Bahia. Distante 63 km de Salvador, possui pouco mais que dois mil habitantes e apresenta grandes possibilidades de turismo rural. A entrada do vilarejo é muito fácil de encontrar: saindo da BR 324, subi o entroncamento de São Sebastião indo no sentido do município de Candeias, à direita, avisto uma réplica menor das duas torres da Usina Cinco Rios. Peguei essa estrada e logo pude sentir os odores misturados de mato, cana de açúcar, estrume e ar puro. Parece que estou voltando no tempo, mas um tempo que só sei de ouvir contar.  À proporção que me aproximo, já posso avistar a esquerda de quem chega às duas grandes torres originais em meio às ruínas da Usina Cinco Rios.
 
 Mais adiante avisto a pracinha Dorival Caymmi, que tem o formato de um violão, em agradecimento, suponho eu, ao músico, por ter transformado o lugar em objeto de desejo e de curiosidade de todos que ouvem sua canção. Melodia inclusive que se cantada uma única vez instala-se na memória para sempre: Eu vou pra Maracangalha, eu vou. Eu vou de chapéu de palha eu vou [...] Se Anália não quiser ir, eu vou só, eu vou só, eu vou só...  - Que danação de Caymmi, ir pra Maracangalha até sem Anália, a anfitriã dos tempos dos engenhos depois não cumprir a palavra! 

Depois da praça tem um arraial de casinhas simples coladas umas as outras e pintadas de cores aleatórias, aonde quem vai chegando pode ver os moradores debruçados nas suas janelas, para conferir “quem vem de cá”.

Para comprar uma carne de sertão curada, recomendo o bar e mercearia do agitador cultural Bosquinho, que vez por outra, nos recebe em sua casa com o delicioso mangaló – um tipo de feijão verde cozido com muita carne e chouriços, ou uma exótica moqueca de jibóia (cobra), com leite de coco “do coco” e camarão seco, acompanhado de uma cachaça destilada.

Encontrei lá, além dos pandeiros e cavaquinhos do Samba de Roda de Maracangalha, com sambadeiras de mãos calejadas pela lavoura de subsistência, os saxofones, liras, tubas e flautas da escola de Música que gerou a Philarmônica Lyra de Maracangalha responsável por formar meninos e meninas em música, estimulando o sonho de ganhar o mundo, apesar da insistência de alguns em colocar-lhes chapéu de palha nas cabeças para receber turistas. Há também a charanga, composta pelos músicos mais experientes da filarmônica, que anima as festas de lá e de algumas cidades vizinhas, lembrando as marchinhas de carnaval que ficaram na história.

No prédio do mercado o cheiro de fritura de peixe, de carne de sol, peixe enrolado na folha, misturado ao cheiro de feijão de mocotó impregnam as narinas e seduzem aqueles que gostam de um almoço mais apimentado acompanhado de uma “geladinha” ou de uma boa pinga. 

Nas festas de calendário, a exemplo do dia 29 de junho, dia de São Pedro, santo católico e patrono de Maracangalha, o cardápio fica ainda mais variado, com o delicioso pirão de galinha de quintal, sarapatel, maniçoba, andu, mangaló e tantas delícias que são típicas do recôncavo baiano. Tudo isso acompanhado de grupos de forró, contratados pela prefeitura além do samba de roda, que sempre abre e fecha as festas oficiais do distrito, e aceita convite até para aniversário, batizado, casamento e o que quiserem comemorar com o samba no pé.

Maracangalha é assim: O amanhecer é acompanhado pelos cantos dos pássaros e o bem-te-vi anuncia a chegada de mais um dia entre os mugidos das vacas a caminho da ordenha. Ao meio dia os paralelepípedos devolvem a temperatura recebida do sol, causando uma ilusão de ótica quando olho o horizonte. Ao por do sol, o vilarejo ganha um amarelo ouro que me deixa com saudade de tudo o que vi de bom na vida.  Quando peguei a estrada para sair daquela vila, assobiando a música de Caymmi, tive a certeza de que a música serve como um pacto de nunca deixar de ir “pra Maracangalha”.

Matéria Relacionada
Eu fui pra Maracangalha, eu fui

10 comentários:

  1. Mario, eu não sabia que existia mesmo este lugar. Pensava que era um nome fantasiado por Dorival Caymmi. A Bahia precisa ainda resgatar e valorizar muita coisa de nossa história. Mais uma vez o blog está de parabéns!

    Maria das Graças, São Paulo

    ResponderExcluir
  2. Evangevaldo Júnior29 novembro, 2011

    Ahhhhhhhhhhh... E o avião?????????? rsrs!

    ResponderExcluir
  3. Bela matéria, Mário. Bem que o prefeito de São Sebastião do Passé deveria investir mais no local.

    ResponderExcluir
  4. GEOVANA SANDES30 novembro, 2011

    Gostei do que li, ouvi muito falar nessa cidade por conta do avião que caiu, mas vc mostrou que a cidade tem história, parabéns!

    ResponderExcluir
  5. Maracangalha é o exemplo mais evidente da falta de política cultura no Estado Bahia. É um crime deixar no esquecimento essa riqueza. A cidade de Serra Preta tb tem uma potencialidade histórico enorme e acho que poucos conhecem. Se tais realidades fossem na Europa, com certeza o povo desses lugares viviam basicamente do turismo. Parabéns pelo blog que resgata esse tesouro enterrado a 7 chaves.

    ResponderExcluir
  6. Maracangalha, conheço, é tudo que Mario falou mais um pouco e está melhor agora com chegada dos moradores ilustres Souzinha e Ediana Mercurio.

    Abraços

    ResponderExcluir
  7. e a minha cidadizinha e bela e tenhe istoria e muito linda

    ResponderExcluir
  8. Maracangalha é um lugar simples com pessoas simples e maravilhosas!

    ResponderExcluir
  9. O lugarejo é lindo, vale muito conhecer. Pessoas simples, educadas e, ótima culinária. gostei muito.

    ResponderExcluir
  10. Espero um dia conhecer este lugar. Gosto de lugares que trazem recordações.

    ResponderExcluir

Participe do blog deixando sua mensagem, nome e localidade de onde escreve. Agradecemos.