26 de junho de 2017

São João de 2017 em Serra Preta é o maior da história

Autoestima da população garantiu o maior São João de Serra Preta
O São João de Serra Preta viveu períodos de altos e baixos, como a própria chama da fogueira. Nos períodos clássicos, a festa junina era realizada a partir de cada residência com as comidas típicas, forró, fogueiras, castelos, fogos e muita paquera. É um tempo bom que não volta mais, até porque Serra Preta passou por um processo de migração interna considerável: do campo para os povoados e distritos.

A partir do final dos anos 90, o poder público passou a investir no novo formato. Esta interferência aconteceu em muitas cidades do nordeste. Em Serra Preta, o prefeito Antônio Carneiro foi um dos principais contribuidores neste processo, primeiro com o forró no mercado municipal e na sequência com o chamado São João da União na Praça da Igreja.

Em seguida, prefeito Benedito profissionalizou mais o evento de palco com contratações de músicos nacionais, o eterno Genival Lacerda é um exemplo. O prefeito Adeil não definiu o que desejava para o São João. No ano que realizava a festa de palco, definia as atrações em uma semana, com pouca divulgação. O Arraiá era organizado a poucas horas antes da festa. Alguns anos, o gestor trocou o Arraiá de São João por uma festa de massa na Páscoa.

Recuperação do São João

O povo voltou a frequentar a festa de São João
Diversas atrações animaram o São João de Serra Preta
Sem investimento, o São João de Serra Preta deixou de ser centro de atração e perdeu público para outras cidades como Anguera, Ipirá e Riachão do Jacuípe. O Arraiá do distrito do Ponto praticamente desapareceu. Falava-se em acabar de vez. Em Bravo, uma multidão ficava circulando pelas praças, mas sem grandes atrativos, apenas a famosa “guerra de espada” e queima e fogos aconteciam por insistência da população.

Em 2017, o prefeito Aldinho direcionou sua gestão na recuperação do São João. A seca impediu muitos planos do novo prefeito, principalmente nas contratações de bandas e artistas.  Segundo o prefeito, a ideia era realizar uma festa com poucos recursos, mas  com apoio popular. A fórmula deu certo. Ruas enfeitadas pela população e muitas iniciativas próprias.
  
O Arraiá oficial em Bravo e Ponto contou com as mesmas atrações. O distrito de Ponto recuperou o público, que antes buscava outras cidades. Os distritos foram enfeitados com contribuição de voluntários. Em Ponto, a novidade ficou por conta da “Vila Junina”, que antecipou o São João. A alvorada ampliou a participação do público, que circulou pelas principais ruas do distrito e as escolas públicas fizeram seus arraiás. 


O distrito do Bravo garantiu o maior público de festa junina, segundo alguns moradores. Cerca de 20 mil pessoas circularam nos dias de festa pelo Arraiá oficial na Praça da Igreja. Decoração autêntica e autoestima da população elevada. As atrações locais e regionais animavam o público. Teve até Fit Dance nos intervalos das bandas, como acontece em outros grandes centros festivos. O público adorou. Algumas críticas sobre o repertório, já que algumas atrações tocaram arrocha e pagode.

Outro destaque das festas juninas foi o investimento feito em segurança. Além do apoio da Polícia Militar e Civil, a novidade ficou por conta dos Guardas Municipais, que contribuíram na proteção do patrimônio público, controlando o trânsito e orientado as famílias durante os eventos.

O povo fez a festa

O prefeito Aldinho sempre participativo
Com direito a beijo das "meninas juninas", prefeito de Serra Preta vira pop star
Com o apoio da prefeitura, o povo se sentiu a vontade para investir no São João de Serra Preta. A “guerra de espada” foi a maior de todos os tempos. Diversas quadrilhas se apresentaram, muitas foram convidadas para se apresentar em outros municípios e na famosa micareta de Feira de Santana. O clube Bravolândia, pela primeira vez, realizou seu primeiro forró, com organização impecável. O casamento da roça puxou um arrastão pelas ruas de Bravo na tarde de domingo (25) e o forró da Rua do Norte atraiu uma multidão durante toda a noite.


Conversando com os moradores, era unanimidade a valorização das festas juninas. Lucas Silva, serrapretense que mora dos Estados Unidos, voltou a frequentar o São João. Segundo ele, é uma tradição que não pode morrer. Lucas afirmou que pretende trazer sua família nos próximos anos se o evento continuar neste ritmo. Conversando com o prefeito Aldinho, ele falou que ficou muito satisfeito com o São João de Serra Preta, com a vontade do povo em realizar a melhor festa e que o ano que vem pretende ser bem melhor.


As festas juninas não acabaram ainda

Licor do Jegue em Serra Preta. Foto: Arquivo
As festas juninas de Serra Preta se encerram com o São Pedro na Sede do município. Serra Preta será o palco para quem ainda deseja curtir o último forró do mês de ouro do nordeste. Diversas atrações musicais animarão a cidade histórica. A expectativa é de um grande público do município e de diversas cidades.

O Licor do Jegue é um dos eventos mais esperados do São Pedro de Serra Preta. A festa de camisa toma as ruas da cidade, regada a muita música e licor.  O Licor do Jegue chega a sua 17° edição este ano.









Matéria Relacionada
São João de 2016 em Serra Preta

Um comentário:

Participe do blog deixando sua mensagem, nome e localidade de onde escreve. Agradecemos.